02 setembro 2007

Percepção


Percepção

Desalinho, como planetas em desuso
Carregando luzes e sons e cheiros
Sabores que brotam agora e depois
E causam espanto e ansiedade
Calculam os amanhãs esquecidos
Universo se prontifica e se apruma
Como causa sem conseqüência
Brusca alteração de alma, de cor
E o horizonte se completa
Com luzes, brilhos intensos
Inalteradas sensações se perpetuam
Sem choro, sem lágrimas, sem lamentos
E mais e mais o sol nasce de novo
E de novo aquece o frio sem pensar
Trazendo paz e calma para os corações
Corações que transitavam perdidos, aflitos.


Renato Baptista - Direitos Reservados

2 comentários:

Anônimo disse...

A sensibilidade de sempre, amigo Renato.
Parabéns pelos versos, uma redundância, pois sempre são lindos, e parabéns pelo blog.
Um grande abraço.
Alberto Afonso

Anônimo disse...

ReNaTo, nato poeta, nativo da poesia, pois, navego com olhares de leme, e peito de quilha,por toda esta maravilha que é o Blogger do Broder!!!
do Broder RENATO!

Abraços - JAL.
José Alberto Lopes.