10 setembro 2007

Toada



Toada

Estou aqui sozinho
Sentado num canto
Cantando baixinho
Aquela nossa toada
Iluminado pela luz
Da lua
Na hora em que canto
O nosso refrão
Escorre-me uma lágrima
De saudade tamanha
Que posso ler escritos ali
Versos que mudam
A história da canção
São versos teus
Que rolaram
Pela minha face
Vem aqui, vai...
Traga teu baixo
E um violão
E me acompanhe
Nessa nossa canção
Faça para mim
A segunda voz
Encha-me de emoção
Cante comigo em dueto
Com a voz do teu coração
Entoe para mim
Com teu canto
A mágica da tua
Mais sublime rendição.


Renato Baptista - Direitos Reservados

Um comentário:

profe.jp disse...

Nobre colega, passei pelo seu cantinho e gostei do que vi e li, prabens mesmo.

Do seu sempre colega Jazon Pereira