30 novembro 2007

Não Chores Mais...Por Dois Amigos que se Foram



A chama de alguns sonhos se apagou.
Dois grandes amigos dos tempos da faculdade se foram
Ela e ele agora estão no céu, olhando por nós com certeza...
A tristeza é incontida quando o sentimento de falta fica no ar.


Não Chores Mais...


Cântico que ecoa, no céu
Ultrapassa o firmamento
E invade a eternidade
Enfim a dor se desata
O espírito dança e ri
E chora mais uma partida
Os olhos não sorriem mais
O coração não se encanta
Sopro de vida desvanece
E as sombras sossegam
Não bailam e nem escutam mais
Aquela música doce e suave
Que fez, um dia, a alegria
Permanece nos corações, enfim
A lembrança da vida
Momentos belos da juventude
Tanto brilho e inquietude
Sonhos que guiavam
Filho pródigo que enternecia
Mas a luz se apagou
E a lembrança serena
Será eterna...
Não chores mais
Porque quem chora
É quem te viu partir

Descansem em paz meus amigos.


Renato Baptista

Direitos Reservados

25 novembro 2007

Escultura Singular



Escultura Singular

Agito as mãos no ar
Em movimentos circulares
Plenos...
Tento transformar
Aliso, aperto
Dou toques finais
Como um escultor
Crio formas, tento te achar
Busco tuas formas, meu tesouro
Não posso mais esperar
Tu és minha arte, meu amor
Minha escultura singular.


Renato Baptista

Direitos Reservados

15 novembro 2007

Invocação



Invocação

Os meus olhos choram os teus
De tão dentro de mim que você está
Meus dentes mordem os teus lábios
Pelo lado de dentro
O ar que eu respiro é o teu ar
Que você exala dentro de mim
Minha pulsação é dobrada
Porque teu coração bate
Intercalado com o meu
Dentro do meu peito
Tua vida é a minha vida
O teu amor a minha paixão
E a tua felicidade é também a minha
Sinto você a cada segundo
Sei o que você pensa
Sei o que você sente
Sei o que você faz...
... Como se fosse eu
Só o que falta
Ah, só o que falta
É caminharmos juntos
Sem mais nenhuma despedida.



Renato Baptista


Direitos Reservados

12 novembro 2007

Foste Tu... - By Iza Klipel



Iza Klipel é minha Afilhada poética e uma grande amiga. Sua obra sempre encanta quem a aprecia.
Ela escreve poemas concisos que mostram seus sentimentos mais particulares que através da poesia se eternizam.
É uma honra tê-la aqui comigo no meu Blog.



Foste Tu...
Foi essa tua maneira de se entregar
Esse teu jeito fremente de recitar o luar
Contar estrelas e retê-las nas mãos
Marolas felizes invadindo o meu mar!

Foram tuas canções abraçando minha paisagem
Em dedos ávidos colhendo meus gemidos
Teus beijos de um vermelho fogo
Ateando sonhos no imo dos sentidos!

Foram tuas mãos no alvor do amanhecer
Em rendas de eternidade cerzindo nossas almas
E este amor talhando no âmago do meu ser!

Foram teus olhos em melodiosas cascatas
Cravejando de flores a silenciosa saudade
E este teu sol maior que a tarde...

Rasgando a noite das minhas
........................... Palavras!

By Iza Klipel
Todos os Direitos Reservados

Sentida Ausência - Mestra Maria José Zanini Tauil



Jô Tauil é uma poeta nobre. Uma Mestra na arte de ensinar e de escrever.
Jô é uma poeta amiga que faz parte do meu dia a dia poético e a leitura de seus escritos é para mim absolutamente obrigatória.
Seu site, "Coração Bazar", é algo de primoroso (seu link está aí ao lado).
Obrigado Jô pela permissão para publicar uma obra sua no meu Blog.


SENTIDA AUSÊNCIA
A saudade
Dos teus olhos
Canta melancolias
De outras eras
Sonho tua boca
De mirra e incenso
De tóxicos secretos
De sangue apaixonado

Ainda voam
E revoam palpitantes
As lembranças de teu corpo
De emoções mundanas
que profanaram
O santuário do meu corpo

Maria José Zanini Tauil
Todos os Direitos Reservados

10 novembro 2007

Alma Gemela



Alma Gemela

Me quedo triste
siempre que te hago triste
y mi corazón no sabe
o no puede evitar.
Yo me quedo triste
siempre que usted brinda
a la salud de alguien
y yo sé,
usted no puede evitar.
Y es entonces que yo me
destrozo
veo mi espíritu en dolor
y mis ojos se llenan con el llanto.
De un llanto que no limpia,
no se vá
y simplemente se queda
hasta arrugar todo
lo que siento
por usted.
Entonces me quedo triste.
Por eso y por que
usted bailó
aquella música
que yo no escuché,
con alguien que yo
jamás lo veí.
Yo me quedo triste por que
aquella música tenia
que ser nuestra.
Hermosa,
eterna,
penetrante.
Y entonces
nuestros espíritus bailarian
sueltos y coherentes, de manos
apretadas y capaces.
Y el brinde seria nuestro.
El mundo seria de nosotros.
Usted y yo.
Entonces mi corazón
sabría evitarle
hacerte triste,
y mis ojos
irían sonreir
para los tuyos,
si ellos todavia
supieran
aguardar por los mios.

Renato Baptista
Traducción: Veronica de Nazareth - Noic@

Direitos Reservados

Doce Veneno...



Doce Veneno...

Primeiro Ato

Sinto seu cheiro mulher
As paredes giram
Doce veneno...

Sinto seu toque divino
Eu me arrepio
Doce veneno...

Sinto seu hálito quente
Minha boca saliva
Doce veneno...

Sinto você quente por dentro
Meu corpo transpira
Doce veneno...

Sinto seu gosto de amor
Meu beijo a lambuza
Doce veneno...

Sinto sua boca úmida
Estremeço, convulsiono
Doce veneno...


Sinto sua pele macia
Que incendeia a minha
Doce veneno...

Sinto seus cabelos soltos
Que lambem o meu rosto
Doce veneno...

Sinto sua prece que me envolve
Torno-me senhor de mim
Doce veneno...

Sinto seu carinho profundo
Tenho-me vivo
Doce veneno...

Sinto seu olhar que me atravessa
Fico inteiro do avesso
Doce veneno...

Sinto sua paixão latente
Seu amor me entorpece
Doce veneno...

Segundo Ato

Sinto...
Sinto tudo o que o amor me permite
Sinto-me em chamas
Queimando em versos
E me derretendo em poesia
Transpiro emoção latente
Sinto a vida que pulsa
Como um coração

Sinto...
Sinto poemas que brotam
Germinando na alma
E flutuando eternos
Através do tempo
Poemas que permanecerão
Além de mim
Exalando meu amor maior
Por todo o sempre
E perpetuando a minha paixão
Por você
Como um doce veneno...

Epílogo

Provei do seu néctar
Invadi seu corpo com o meu
Bebi sua poção de amor
E me submeti à sua magia
Estando agora
Envenenado por seu doce
Que me faz doente de paixão

E assim termina esse poema
Repleto de atos de amor
Que fez nascer a poesia desejo
Que imortaliza a história
Do seu doce veneno...


Renato Baptista


Direitos Reservados