24 janeiro 2008

Moça Descalça



Moça Descalça

Moça descalça e que vem
Caminha ao meu lado e nem sei
Tropeça em meus pensamentos
Adoece de tanto desdém
Que vem e vem apesar do que sou
Brada tortura lancinante
Escondida no tempo e que surge
Tal qual o sol no amanhecer
Que vem do nada e acontece
Apesar da força da noite
Com suas estrelas e tudo
Suas luas e explosões...

Vem moça descalça
Até mim como se eu fosse eu
Ainda...

Renato Baptista
Direitos Reservados

Nenhum comentário: