25 março 2008

Você... Meu Sonho



Você...Meu Sonho

Acordei de um sonho bom
Completamente refeito
Querendo que tudo aquilo
Fosse verdade
Que fosse real
Que o meu dia fosse
Daquele jeito
Que sonhei...
A partir daí
Se tudo fosse assim
Tudo na minha vida
Seria perfeito
Eu sonhei
Que estava dormindo
Acordei
E você dormia ao meu lado
Linda, suave, delicada
Ouvia o teu respirar
Assistia teu rosto
De anjo
E podia até viver
O teu sonhar
Você sonhava comigo
Dormindo abraçado
Com você
Beijava meu sono
Embalava meus sonhos
Misturava teu cheiro
Ao meu
E enroscava-se comigo
Assim, sonho e realidade
Se confundiam
Então acordamos
Nos beijamos
Olhamos, um
Nos olhos do outro
E não levantamos
Naquele dia
Simplesmente voltamos
A sonhar juntos
Pelo resto das nossas vidas
E tudo a partir daí
Tornou-se perfeito.

Renato Baptista

Direitos Reservados

21 março 2008

Melhor do que Eu


Melhor do que Eu

Você sabe melhor
Do que eu
O que é o amor
Porque você nunca
Amou
Você sabe melhor
Do que eu
O que são as lágrimas
Porque você nunca
Chorou
Você sabe melhor
Do que eu
O que é tristeza
O que é solidão
Você sabe o que é
Agonia
O que é vontade
O que é aflição
Melhor do que eu
Você sabe
O que é coração
Porque o seu
Nunca bateu
Forte como o meu
Você sabe melhor
Tudo isso
Melhor do que eu
Mas a única coisa
Que você não sabe
Mas logo vai descobrir
É que o mundo
É lindo
E pode ser todo
Seu.


Renato Baptista

Direitos Reservados

20 março 2008

Relicário



Relicário

Rabisco na minha alma
Frases soltas...
Versos que, quem sabe
Nem sei ainda
Se os sei escrever
Só sei que eles
Vão dentro de mim
E assim eu me vejo
Como um relicário
Guardando você
Minha poesia
Musa que tanto
Me encanta
E persisto na minha vida, pleno
Com a alma sublimada
Esmaecido pelo tanto de amor
Que você derrama sobre mim
E com a certeza de que nunca
Nada mudará esse amor
Amor que nasceu por nós
E nos fez dar as mãos
Em contemplação
...Um ao outro
E eu escrevo esses versos
Sim... Acho que são versos
Não importa se não são
Na minha alma
E ela não os esconde
Ela os entrega a você
Com carinho, com amor
Beijando o nosso destino
Para que você saiba
Que todo o amor do mundo
É o que eu sinto por você
E tenha certeza
Quando um dia eu partir
Para morar ao lado de Deus
Todos os meus versos
Toda a poesia
Que é o nosso amor
Ficará de lembrança
Tatuada na sua alma
Eternizados na essência
Coordenando os seus sentimentos
Na minha pequena ausência
Até que você se una
A mim de novo
No plano do amor definitivo
Espiritual e imortal
Bem do jeito que é
Esse nosso amor.


Renato Baptista

Direitos Reservados

19 março 2008

Poetas del Mundo



Neste 19 de Março de 2008 fui aceito como membro do "Movimiento Poetas del Mundo" com sede em Santiago - Chile.

É com muita honra que participo essa minha conquista.

Visitem minha página no endereço: http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=3906 e aproveite para conhecer poetas do mundo todo e seus trabalhos.


Renato Baptista.

17 março 2008

Fatalidade



Fatalidade

No mostrador
O passar das horas
Seca desenvoltura
Movimento constante
Preciso caminhar
E o tempo vai indo
Sem medo, sem parar
Seguro com o pensamento o ponteiro
E por ali o tempo pára
Pura preservação intuitiva
Mas o espelho amarelado
Bem ali à minha frente, denuncia
Reflete uma imagem fatídica
Continuo a envelhecer...



Renato Baptista

Direitos Reservados

07 março 2008

Sem Você



Sem Você

Tanto querer não é o bastante
Se minhas tardes se fazem nubladas
E se todas as minhas noites são frias

Tanto querer não é o bastante
Se a cada manhã, acordo
E sinto você distante como o sol

Tanto querer não é o bastante
Se minha vida sem você
É vazia, todos os dias a cada dia

Tanto querer não é o bastante
Se respiro saudade sem ar
E se meu desejo perde-se no espaço

Um tanto querer é o que sinto
E é esse tanto querer que me guia
Esse meu tanto querer que é você.


Renato Baptista

Direitos Reservados

01 março 2008

Lágrima



Lágrima

u
m
a
lágrima
correu solta
pela minha face
imóvel e molhou o meu
destino deixando um gosto
salgado na minha tristeza pela
tua ausência. ela é mais do que
uma lágrima. guarda dentro
de si uma linda história
de amor perfeito
conquistado


amor que de tão amor que é
acaba por chorar
de alegria por ser
e de tristeza por não estar

é somente uma lágrima pura
cristalina
que encerra todos os segredos
da minha paixão

vem escorrendo devagar
riscando meu rosto atônito
até invadir serena
o meu coração

e lá vem ela de novo
insistente
marcante
será sempre a mesma?

aquela lágrima transparente
que deixou um gosto salgado
no teu beijo
com sua inocência latente

uma lágrima
solta
que encerra
todo o meu amor

uma
lágrima

molhada
de amor

calor
e sabor

mas que um dia
estará

seca.


Renato Baptista

Direitos Reservados

Rendição



Rendição

Entreguei-te meus sonhos
Meus carinhos
Dei-te todos os meus
Pensamentos
E as minhas vontades
Revelei-te meus segredos
E reparti contigo
O ar que eu respiro
Meu coração agora
É todo teu
Minha vida é tua
Meus olhares são todos
Para ti
São teus, o meu corpo
E a minha alma
Numa sublime e linda
Entrega
Eternamente perpetuando
A minha doce rendição.


Renato Baptista

Direitos Reservados

Sensações à Meia Luz



Sensações à Meia-Luz

Ah, minha querida amada
Depois de ti todo mar é azul
Todo céu é azul
E todo perfume, amadeirado
Ah, minha doce amada
Depois de ti toda saudade
É doída
Toda espera é a mais longa
E não há mais
Lindas mulheres
Ah, minha querida amada
Quanta tristeza
Por te ver partir eu já chorei
Em quantas noites
Eu me desesperei
E quantas alegrias já senti
Ao te ver voltar
Ah, meu amor
Quantos e quantos versos
Escrevi para ti aqui sozinho
Quantos beijos
Te mandei pelo vento
E quantas vezes morri
Por não te ver ao meu lado
Ah, meu amor
Definitivamente aprendi na vida
O que é sentir saudade
Aqui... À meia-luz.


Renato Baptista

Direitos Reservados

Perpetuando Uma Paixão



Perpetuando Uma Paixão

E a caneta vai ao papel...
E timidamente escreve
Os versos que saem correndo
De dentro do poeta...
Escrever um poema
É como perpetuar
A extensão
Das nossas paixões
Uma dádiva de Deus
Que vem de dentro
Da alma
Escrever nos torna
De alguma maneira
Semi-deuses
Para nossos próprios olhos
Para nós mesmos
Como alguém que fez algo
Que ninguém tenha feito antes
O poema é único, particular
Um verdadeiro filho
E passa a ter vida própria
Cheiro, movimento, calor
É intenso
Produz sons, sensações...
E depois de pronto
Ele fica como que numa vitrine
Exposto...
Pessoas com seus narizes
Colados ao vidro
O admiram, o entendem
Cada um do seu jeito
... Não importa qual seja
E elas o amam, o odeiam
Choram e riem
Uns entram dentro dele
Como se ele fosse seu
E no fundo, até é...
Elas o compram, o devoram
O decoram
Levam-no embora
Dentro de si para sempre
Mas ele permanece intacto
Como um amor que espera
O seu amor eternamente
Ultrapassando os limites
Da nossa vida material
Quando eu escrevo algo
Qualquer coisa que não seja
Um poema
Sempre procuro colocar ali
Algo parecido com um verso
Para que as pessoas saibam
Que continuo o meu caminho
Falando do meu amor
Com a arte
Que Deus me deu de presente
Com a vontade que tenho
De mostrar meu coração
E minha alma por dentro
E tornando-o um reflexo
Dos meus sentimentos
Das minhas verdades
E da minha ficção
Assim perpetuo a extensão
Da minha paixão
Como todo poeta faz.

Um caminho entre o coração e as mãos
Envolve os sentimentos que voam.


Renato Baptista

Direitos Reservados