01 abril 2008

Percepção

Percepção

Desalinho, como planetas em desuso
Carregando luzes e sons e cheiros
Sabores que brotam agora e depois
E causam espanto e ansiedade
Calculam os amanhãs esquecidos
Universo se prontifica e se apruma
Como causa sem conseqüência
Brusca alteração de alma, de cor
E o horizonte se completa
Com luzes, brilhos intensos
Inalteradas sensações se perpetuam
Sem choro, sem lágrimas, sem lamentos
E mais e mais o sol nasce de novo
E de novo aquece o frio sem pensar
Trazendo paz e calma para os corações
Corações que transitavam perdidos, aflitos.


Renato Baptista

Direitos Reservados

Um comentário:

Jorge Castanheira disse...

Visito pela primeira vez o teu sítio. Parabenizo-o pelas obras publicadas e pela beleza e bom gosto da página.
Tornarei a visitar sempre.
Um abraço grande.
Jorge Castanheira