22 maio 2008

Com Gosto de Saudade



Com Gosto de Saudade

Um fino fio
Marca o rosto
Suave, incauto
Brilhante, dolorido
Face cortada, ferida
Pelo caminho da lágrima
Que repousa sem cor
No canto esquerdo da boca
Triste, molhada

Pálido rosto entristecido
Maculado, estremecido
Treme o canto dos lábios
Enlouquecidamente saudosos
Temerosos, enrijecidos
E o gosto da saudade arrepia
Arrebata, mata, morre
Como o sol no poente
Resta, um fino fio...


Renato Baptista

Todos os Direitos Reservados

Um comentário:

Daniela Motta disse...

Olá poeta.
Estive passeando por uns sites de poesias e encontrei um link que me trouxe aqui. Divinos poemas e feliz deve ser a musa dessa grande inspiração.
Obrigada por esses momentos.
Danny.