20 junho 2008

Duas Luas Nuas






Duas Luas Nuas

Olho para a noite
E vejo duas luas
Que se abraçam
Entrelaçam-se nuas
E contam segredos
Uns que eu um dia contei
Através de sonhos
Meus sonhos de vida
Que como raio, partiram
E as luas nem choram
Nem se emocionam
Com o inverno d’alma
Riem contagiantes
Anunciando verdades
Cantando a partida
Sentida e ferida

E o abraço se aperta
Dessas luas da noite
Que como castigo
Não vêem o dia
Assim como eu...

Renato Baptista


Todos os Direitos Reservados

Nenhum comentário: