03 agosto 2008

Em Chamas



Em Chamas

Por mais que o sol me queime
O corpo
Nessas andanças por essa vida
Calada
Por toda a chuva que me molha
O pensamento
Enquanto vai lavando o céu
O universo
Lavando a alma, levando a alma
Que grita
Por mais que a luz que viaja
Veloz
Trazendo-me o infinito secreto
Em transe
Por todas as esperanças vãs
E amanhãs
Que fulminam cada instante
Do meu eu
Pela serenidade perdida
Escondida
Fatalmente recolhida
Nos momentos
E por todos os instantes inquietos
Que conduzem minhas intempéries
Eu abro minha janela e berro
E procuro o ar sem cor que respiro
Aspiro energia e expiro paciência
Aguardando e procurando, sempre
Como um sobrevivente em chamas...



Renato Baptista


Todos os Direitos Reservados

Nenhum comentário: