24 agosto 2008

Releitura



Releitura

Posso ler nos seus olhos
Todos os meus segredos
Vejo-me em cada lágrima
Cada lágrima derramada
Que escorre pela sua face
E que me desnuda a alma
Lembro-me desses olhos
Que já não me vêem mais
Tenho em mim o seu olhar
Que tanto me fez sonhar
Olhar de amor amado
Sofrido e chorado
E meus segredos se foram
Carregados pelas lágrimas
Soltas e alucinadas
Que hoje percorrem o ar
Sem destino, sem amanhã
Cheias de medo
Cheias de ódio
Cheias do vazio que ficou.

Renato Baptista


Direitos Reservados

Nenhum comentário: