04 setembro 2008

Cheio de Medo



Cheio de Medo

Foi sem querer
Que te fiz me esquecer
E minha vida se fez vazia
Coração magoado
Paixão sentida solitária
Sofrer e querer se misturam
Sem saída, sem jeito
Cheios de medo
Repletos de agonia constante
Ah, amor
Que hoje chamo de ausência
Como um morrer sem querer
Adoração distante
Que sofre em outro lugar
Nem sei onde mais
Sem ouvir, sem saber
O que tenho guardado para dar
Sem noção do que tenho para falar
Sem poder ler nos meus olhos tristes
A história que meu coração guarda.

Mas tenho comigo e sei
Foi sem querer...


Renato Baptista

Direitos Reservados

Nenhum comentário: