28 setembro 2008

Enfim...



Enfim...

O sol se apagou
Congelando o horizonte
E o mundo foi inundado pela noite
Escuro pensamento perseverou
E o frio congelou as sensações
Que atravessaram os sentimentos
Ultrapassando os limites do tempo
E dilacerou o coração vermelho
As estrelas caíram do céu
E sem sentido vagueiam agora
Deixando eternas suas marcas profundas
Não há mais brilho, nem horizonte
Nem há o que deve ser
Porque as luzes todas se apagaram
Provando que o sempre, acaba
Que o eterno morre antes que termine
Que o nada é tudo, enfim...


Renato Baptista

Direitos Reservados

Um comentário:

Anônimo disse...

Tenho andado por aqui, Padrinho... Inda que, silenciosamente!!! É que bate saudade de ti e venho estar contigo nos versos teus!!!
Amo tua Poesia, meu Querido Amigo!!!
Beijos carinhosos no teu coração!!!
(E vou seguir lendo o que ainda não li!!!)