31 janeiro 2009

Transtornos - O Poeta Louco



Transtornos

Desarmada a calma constrangida
Traduzido o ódio acelerado
Calculada bem a trajetória

Alma invadida e perdida
Motivos dela arrancados
Caminhos arruinados

Cérebro abduzido, ferido
Consome as linhas tortas
E espanta o poeta louco

E a loucura vai às alturas
Desmanchando nuvens carregadas
Atacando o sol com suas garras

E no fim do céu, no horizonte
Escorre sangue abundante
Chorado e intermitente

Como se a loucura massacrante
Chegasse ao fim de todos os fins
Enterrando todos os sentidos.

O Poeta Louco
Esta obra tem minha permissão para ser colada, copiada, engolida e massacrada.
Afinal não é poesia, é só loucura!

Um comentário:

Lara disse...

Vim comentar seu poema louco, meu poeta louco. Você que adoro tudo o que escreve. Lindo, lindo como você.
Obrigado meu amigo Renato por acitar meu amor na sua casa, tah?
Beijokas aos dois.
Lara.