29 abril 2009

Noite Vermelha



Noite Vermelha

O céu se esconde
Olhos se viram e reviram e procuram
Nuvens carregadas voam depressa
Com pressa de chegar não sei onde
Estrelas se alternam em suas posições
Brincam de esconder e saltam e brilham
E a vida passa loucamente
Loucamente
Noite após noite
E a lua acanhada não responde
Não se pronuncia
Não se envolve mais nos pensamentos
Não corresponde
E aparece e se esconde
Dos olhos que viram
E reviram
E procuram
Algo mais que lágrimas que escorrem sem pena
E mancham o rosto
De vermelho
Como sangue chorado embrutecendo a feição
O dia não se faz
A manhã morreu e foi para o céu
Brincar com os anjos
Que riem e riem e batem suas asas
Fazendo pouco do chôro chorado
Inundado de lágrimas rubras
Que incendeiam e queimam e marcam
Mais uma noite vermelha.


Renato Baptista

Direitos Reservados

Versos Cálidos e Desencontrados

Sinto a poesia pura, total
Poesia que escrevi de dia
Com a saudade constante
Que me trouxe a triste noite

Escorregam versos das nuvens
Sem as rimas cálidas, melódicas
Que se derreteram com o sol
E foram levadas pelas andorinhas

Melodia imortal brilhante
Que contém seus olhos tristes
Cantados em versos cálidos

E o poema anda chorando, desencontrado
Porque lágrimas molham os beijos
Grafados pela pena triste do nosso destino.

Renato Baptista
Direitos Reservados

27 abril 2009

A Cor dos teus Olhos



A Cor dos teus Olhos

Simplesmente não me saem do pensamento
estes teus olhos penetrantes,
embotados, carregados de lágrimas congeladas
que não sabem escorrer.
Este silêncio dos teus olhos,
que aprenderam comigo a sorrir,
me encanta, me alucina.
Aprendi a decifrar neles
os cantos da tua saudade
e da tua felicidade escondida.
Leio fácil estes teus olhos
que me revelam teu segredo.
Eles me contam que sou teu,
me contam teus desejos secretos
durante as madrugadas frias e quietas.
Madrugadas em que olho para cima,
para o céu e procuro estes teus olhos
nas estrelas.
Torcendo com os dedos torcidos
para encontra-los brilhando,
porque sei, um dia,
eles vão brilhar por trás das tuas lágrimas.
Mas hoje, estes teus olhos tristes,
apaixonados, escondem ainda
toda a tua tristeza eterna.
Estes teus olhos negros,
frios, congelados, embotados,
que sorriem amarelo,
precisam aprender
o vermelho do chorar.
Chora tua dor que te machuca.
Chora essa tua eterna tristeza de uma vez.
O mesmo Deus que te mandou
para viver um amor tão louco,
cumpre proteger a quem chora tuas tristezas
e tuas alegrias.
Está faltando isso.
Teus olhos chorarem as lágrimas brilhantes
que formarão a ponte entre a nossa vida agora
e a outra vida que virá.
Chore em paz meu amor.
Deixe escorrer tuas felizes lágrimas arco-íris,
coloridas, doces, enquanto eu à distância
vou vivendo você, respirando você
e guardando teus segredos secretos
para sempre.
E tudo isso porque nossa vida...
...é assim.


Renato Baptista

Direitos Reservados

25 abril 2009

Anjo do Amanhecer


Anjo do Amanhecer

Abençoa-me com teu olhar
Derrama em mim teu azul
Brilha com tua inocência
Escuta-me
Diga-me
Sinta-me
Como se o céu fosse teus olhos
Como se tua pureza fosse minha guardiã
Como se me protegesses
Dos males o mundo
De tão anjo que és.

Renato Baptista
Direitos Reservados

Beijos no Coração



Beijos no Coração

Rosa morena
Dos olhos tristes
Que me chegou triste
Trazida pelo vento
Pelos anjos
E que me sorriu sorriso franco
Despejou seu pranto
E secou o meu
Com os beijos do seu coração
E o ar se coloriu
Com cores vibrantes
E uma doce tentação surgiu
Trazendo vida a cada instante
E a moça delicada de novo sorriu
Com jeito de alegria que cura
Fazendo os corações baterem
Pularem
Esperando cada amanhã
Com novo entendimento

Presente de Deus se fez presente
E o mundo agora tem graça
Pela graça da descoberta.


Renato Baptista

Direitos Reservados

21 abril 2009

Desculpa


Desculpa

Corro
Até o centro
Do universo
Ponho um beijo
Na minha mão

Colo nele
O seu endereço
E assopro forte
Com todas as minhas
Forças

E que ele voe até
Você
Certeiro e molhado
E que ele sirva
De afago

E que ele leve
Junto
O meu coração
E o meu pedido de
Perdão

Pela falta
Que eu lhe faço
Nessa vida
Nesse tempo
E nesse espaço.

Renato Baptista

Direitos Reservados

17 abril 2009

Pérolas Lágrimas



Pérolas Lágrimas

Vem de encontro
À minha prece
Que pede desesperada
Por ti

Escute meu choro
Abrace minha alma
Beije meus lábios
Faça-me teu, só teu
Assim como pede
O teu desejo

E nesses caminhos
Traçados pela vida
Em que as nuvens da saudade
Pairam baixas sem temor
Tropeço com meus passos soltos
Nas entrelinhas que contam
Da insegurança incontida
No espelho brilhante do horizonte

E eu rezo
Oro por ti
Para ti

Peço a Deus
Pela tua alegria
Rezo por mim

E meus altos e baixos
Ciúme intrínseco
Que vagueia sem destino
Entre os meus pensamentos
Descortinam meu jeito insano
De tanto precisar te amar

E eu amo, sofro
Sofro e amo
Amo amar
E odeio sofrer

E te atormento
Sem intenção
Entorto teu sorriso
Arranco-te lágrimas
Que cultuo sem prazer

Pérolas lágrimas
Pérolas brancas
Pérolas negras
Pérolas pérolas
Pérolas que escorrem
Molhando a tua face
Afogando teus lábios
Que não querem
Dizer-me adeus
Porque são pérolas

Vem menina
De encontro
À minha prece
Escute menina
Meu grito oco
Que te implora
Implora
Implora
E... Implora

Entenda então
O meu jeito
Não faça desfeita
E nem converse baixinho
Pule, grite, bata... Palmas
E então pule, grite...

Seque meu pranto
Junte-se a mim
E me conte desse teu amor
Abre-te em flor
Orquídea selvagem
Minha miragem
E exale teu perfume
Enlouquecedor
Meu cheiro de amor

Beije meu beijo então
Menina...
Menina encanto
Anjo do céu
Menina
Minha menina
Meu doce presente
Menina
Minha menina
Meu amor.


Renato Baptista

Direitos Reservados

Fusão



Fusão

Eu e você.
Um cheiro doce
no ar.
A verdade flutua
e somos um só.
Palavras brincam
soltas e
poucas.
Saí de dentro
de mim,
morri por você
e estou rindo.
Sou você, sem
que você saiba.
Moro em você.
Vivo você.
A felicidade rola na
grama
e nós estamos sentados
no chão da praça .
Porque o mundo
é nosso.
Você é minha.
Você sou
eu.

Renato Baptista

Todos os Direitos Reservados

16 abril 2009

Luzes na Janela – Poema 502


Luzes na Janela – Poema 502

O som do silêncio permanece
Na morada que nos sorriu
Estive lá e vivi novamente
Cada instante de magia
Sentindo o perfume impregnado
Que ainda ali habita sereno
Os nossos lençóis desarrumados
Ilusão doce me sacudiu
E meu coração acelerou
Enquanto pude ouvir ainda
O barulho do chuveiro ligado
Nossas roupas abraçadas na cama
Me contavam em pensamento
As noites que viraram vida
O ruído do secador de cabelos
Incendiou-me a alma vazia
Sacudindo lembranças
Enquanto via através da janela
Como vimos juntos umas vezes
Os contornos da noite e suas luzes
Só que desta vez, minha imagem no espelho
Era minha indiscreta companhia

Deitei o meu corpo na cama vazia
Que ainda, notei, guardava nosso calor
O calor do amor que fizemos
E se tornou tão nosso
Meu rosto no travesseiro
Não encontrava mais o seu ao lado
Luzes coloridas riscavam o teto
Eram os reflexos do filme que assistimos
E meus olhos se fecharam
E deixaram escorrer uma lágrima
Que encharcou a fronha de tristeza
Que sonho é esse meu Deus
Tão vivo e tão triste
Que me tira o seu seio
E me devolve angústia?
Adormeci, então, de tanto medo
Abraçado com meu desejo eterno
Antes, beijei o seu amor
Como faço todas as noites
E fui embora madrugada adentro
Com a ilusão plantada na alma
De que eu teria um bom dia... Seu
Que atendesse o apelo do meu íntimo

Foi então que pedaços do céu
Enfeitaram meus sonhos
Que me trouxeram você sorrindo
E passeamos de mãos dadas
Mais uma vez
Fazendo a minha noite escura
Bordar-se de vida
E assim meu espírito dançou
Ao som da nossa música de sempre
Acordei assim, melancólico e assustado
Procurei o seu sono ao meu lado
Aquele que eu tanto queria acordar
Mas eu estava sozinho

E como custei a entender...

Não havia cheiro de café
Nem de banho tomado
Nem do seu perfume delicado
Nada mais havia
Recolhi assim, o que sobrou de mim
E saí pela porta que um dia
Nos viu sorrindo porque ela não abria
Deixei lá tudo como estava
Como deveria ser
Tranquei e joguei a chave fora
Porque o poema é só nosso
Eternamente nosso

Qualquer dia irei vê-lo de novo
Na esperança de encontrá-la
Enquanto isso
O seu coração continua sendo
A minha única morada.

Renato Baptista

Direitos Reservados

15 abril 2009

Tristeza Incontida


Tristeza Incontida

Manhã cinza e fria
Espelho das almas
Metade do poema está morrendo
A outra metade agoniza
Roubaram os títulos de amor
O que será da poesia?

Renato Baptista
Direitos Reservados

14 abril 2009

Mensagem Secreta Para você



Mensagem Secreta Para você

D353NH0 R3QU3BRAd0
C0M CURV45 1N51NU4NT35
D353J0 C0NTORN4D0
PR3M3D1T4d4 53N54Ç40
CH31R0 D3 4M0R L4NÇ4d0
C4R1NHO 5U4V3 4 V0LT4
MULH3R QU3R3R 4NUNC14d4
L1ND45 L1NH45, FORM45
CL4R05 3 3SCUR05
NU4NC35 DO 4M0R
P1NTUR4 FORM054 D353J4d4.

C4b3M 5Ó B31J05, PA1X40
3M T4l R41NH4 COR04d4.


Renato Baptista

Direitos Reservados

Amanhecer Sonhando

Amanhecer Sonhando


Sonhar é fácil...
Todos sonham
De olhos fechados
Sonhar de olhos abertos
É dádiva
É saber reconhecer
É responder aos chamados
É não esperar o amanhecer
Sonhar com ser feliz
É não entender
Que a felicidade mora ao lado
Às vezes, de dentro da gente
Sonhar brincando, exagerando
Caminhando por onde há sombras
Arriscando o amanhã
É matar o seu sonho
É vibrar intensamente por nada
É despejar carinho em céu cinza
É não reconhecer o amor
Que é presente de Deus
Porque amor é preocupação constante
Amor é vigília, é entrega
Mesmo que distante
Amor é verdade, que não pede provas
E saber entender o amor, é alegria
É reconhecimento pleno
É saber dar e receber como mandamento
Não basta sonhar
E almejar e esperar
Porque sonho é vontade, é querer
É entregar amor a quem o ama
E não indiferença e desdém
Mas a vida é feita de escolhas
Umas na hora, outras fora de hora
Mas o que está reservado não se muda
Apenas escondemos por opção
E arriscamos o coração
Entregando-nos a esmo
Com vibração exagerada
Porque nos enganamos
Porque escolhemos sofrer
Ao invés de deixar o amor fluir
Porque queremos fugir do nosso coração
E então nos tornamos cegos
Cegos de olhos abertos
Mas sem sonhar
Apenas comemorando cada manhã
O quanto a noite nos enganou
Mas cada um sabe o que faz
Cada um sabe onde se coloca
Cada um se espelha em quem quer
Cada um adula quem não merece
E se satisfaz, se engana
Mas o amor é maior que tudo
Porque ele não é sonho
Ele existe, é sentido de verdade
Faz sorrir e faz chorar
Amor é dor e carinho
De tão grande que é
Não dor que mata, mas que ensina
Não carinho em beijos vãos e perdidos
Mas carinho intenso e real
Mas há quem prefira esperar o amanhecer
Quem escolhe o que virá
Porque não sabe o que tem
Porque só sonha de olhos fechados.

Renato Baptista

Direitos Reservados

Maria Lua – Desajuste de uns certos versos



Maria Lua – Desajuste de uns certos versos

Deságua agonia
Diluída em tinta errante
Forma-se a certeza
De uma lua minguante

Firmam-se os versos
Cada vez mais distantes
Espalham-se teimosos
Desafiando a constante

E

A

C
A
D
A

P
A
L
A
V
R
A

Certeza se constrói
De que aspereza destrói

E o anel muda de dedo

E a medalha anel
Adorna fundo de gaveta
Chorosa como o que...

Plágio total, cópia igual
Da loucura total
fatal, ideal?
Dessas que vês por aí, ali e copias

Loucura que te dá força
E te empurra, te afunda a cabeça
E te faz achar isso
E aquilo, e aquilo outro

Mulher Maria
Maria que vai
Vem e vai Maria
Maria sem eira
Maria sem beira
Vá e não volte
Volte e se vá
Como queres
Como precisas
Como sempre fizestes
Com este e aquele
Como punição própria

D E S T E M P E R O

Se sofres, não ligo
Se choras, não ligo
Se gritas, eu ligo...
Porque acordas meu sono
E invades meus sonhos
Estragando tudo
E... Chega de atrevimento!

Tem novidade na esquina do tempo
Tem carinho sobrando no tempo perdido
Tem beijos sem tempo, sem lugar, à toa
Tem tempo que não encontras o tempo
Tempo perdido, esquecido, porque fostes e não és
Queres ser e não sabes
Tentas e não há emendas
Calculas mal o... Tempo
E andas fora do tempo
Toda toda no espaço
Alegre e espevitada
Até que uma estrela pontuda
Finque-se bem fundo e machuque muito
Bem o meio do teu traseiro.

Essa é a balada concreta de um amor traído
A balada badalada do badalo do sino
Que toca, chama, avisa a hora da missa

Que reza é essa meu Deus?
Estás de joelhos mas não oras
Diz ter lágrimas mas não choras
Derramas... sensações
És reverência insana e insistente
Às paixões malditas...
Têm coisas das quais até Deus duvida.

Renato Baptista
Direitos Reservados

13 abril 2009

Infidelidade



Infidelidade


No verdadeiro poema de amor
Dueto de um só
Porque bailas por lá... como sempre.


Renato Baptista


Direitos Reservados

The Way You Look Tonight – Rod Stewart - Em Dueto



The Way You Look Tonight – Rod Stewart

Algum dia, quando eu estiver terrivelmente chateado
Quando o mundo estiver frio
Eu me sentirei bem só de pensar em você
E como você está essa noite

QUANDO O AMOR ENVOLVE ALGO SUBLIME
NADA COMO O CARINHO DA LEMBRANÇA
COMO O BEIJO MESMO QUE DISTANTE
ENQUANTO A DOR NÃO ALIVIA

Você é adorável, com seu sorriso tão aconchegante
AQUELE JEITO MARCANTE
E suas bochechas tão macias
SEU TOQUE DE SUBLIME PAIXÃO
Não existe nada para mim além de amar você
AMOR QUE VIVE NO CÉU, NAS ESTRELAS
E como você está essa noite

A cada palavra, sua ternura cresce
COMO CURA QUE ALIVIA
Levando meus medos embora
E TRÁS OUTROS EM AGONIA
E aquela risada que enruga seu nariz
SORRISO DOCE E AMARGO
Toca meu coração bobo

Sim, você é adorável, nunca, jamais mude
APENAS SE ACONCHEGUE SEM DEVANEIOS
Mantenha esse charme que me tira o fôlego
QUE ARRANCA MEU CHÃO E ME ENDOIDECE
Você não irá, por favor, arranjar isso?
PORQUE NADA É IMPOSSÍVEL
Pois eu te amo
MAIS DO QUE ACHEI QUE PODIA
Exatamente como você está essa noite
E EM CADA UMA QUE AINDA VIRÁ

A cada palavra, a sua ternura cresce
Levando meus medos embora
E aquela risada que enruga seu nariz
Toca meu coração bobo

Sim, você é adorável, nunca, jamais, mude
Mantenha esse charme que me tira o fôlego
Você não irá, por favor, arranjar isso?
Pois eu te amo
Exatamente como você está essa noite
Querida
Exatamente como você está essa noite

CADA CORAÇÃO CANTA DE UM JEITO...

Minúsculas - Letra da canção traduzida
MAIÚSCULAS – Renato Baptista

11 abril 2009

Beijos no Coração


Beijos no Coração

Rosa morena
Dos olhos tristes
Que me chegou triste
Trazida pelo vento
Pelos anjos
E que me sorriu sorriso franco
Despejou seu pranto
E secou o meu
Com os beijos do seu coração
E o ar se coloriu
Com cores vibrantes
E uma doce tentação surgiu
Trazendo vida a cada instante
E a moça delicada de novo sorriu
Com jeito de alegria que cura
Fazendo os corações baterem
Pularem
Esperando cada amanhã
Com novo entendimento

Presente de Deus se fez presente
E o mundo agora tem graça
Pela graça da descoberta.

Renato Baptista
Direitos Reservados

09 abril 2009

Transparências da Alma - Em Dueto com Miguel E. Gonçalves



Quando as transparências da alma indicam frio intenso e mostram um quadro de tristeza e solidão, a interferência de um amigo mais poeta do que todos, acaba por modificar o quadro, trazendo-lhe vida, cor e indicando que nem tudo é névoa e nem mesmo há tanta solidão.
Obrigado amigo, Miguel Eduardo Gonçalves, pela composição magnífica que deu cor ao meu poema.

Transparências da Alma - In Duet

Névoa no jardim / nuvem que destila
Branca sensação / sagaz apelo
Arbustos negociam sombras / a inteira liberdade
Que feixes de luz compõem / apreço invisível
A grama úmida denuncia / o ritmo que seda
Frio intenso, gelado / ininterrupto instinto

Como a composição da alma / é cadência do sensível
Folhas no chão adormecem / forma incabada
Condenadas de tão feridas / ausência entorpecida
Um quadro, talvez / memória
Um sonho, quem sabe / vento distante
Espectro da solidão... / ou não...

Renato Baptista / Miguel E.Gonçalves
Todos os Direitos Reservados

08 abril 2009

Transparências da Alma



Transparências da Alma

Névoa no jardim
Branca sensação
Arbustos negociam sombras
Que feixes de luz compõem
A grama úmida denuncia
Frio intenso, gelado
Como a composição da alma
Folhas no chão adormecem
Condenadas de tão feridas
Um quadro, talvez
Um sonho, quem sabe
Espectro da solidão...

Renato Baptista

Direitos Reservados

06 abril 2009

Por Você...


Por você...

Acredito na sua alma
Quando ela me diz que você chora
Acredito no seu olhar sem igual
Que me encanta e vai embora
No seu sorriso maroto
Que me esconde e diz
Creio nas palavras do seu coração
Nos seus suspiros de paixão
Acredito na sua pureza
Que tanto se abraçou a mim
Acredito no seu canto
Se bem que às vezes me espanto
Com tanta beleza que ele conduz
Creio em você mulher
Com as delícias que carregas
E que tanto me seduz
Acredito no seu véu
No seu sonho de amor
Creio em você menina
Na menina que beijei
Não acreditando nos sabores que senti
E que até hoje permanecem em mim
Acredito na sua luta, no seu desespero
No seu desejo de amar
Creio no seu brilho que me guia
Nas suas tristezas e na sua dor
Acredito em cada passo seu
Com aquele salto alto sublime
Que me fez suplicar
Acredito no seu jeito doce
Na sua beleza incontida
Que me fez suar
Acredito em você
Meu amor complicado
Minha paixão sublimada..

Renato Baptista
Direitos Reservados

05 abril 2009

Sobre o Tal de Amor...



O amor é o ridículo da vida. A gente procura nele uma pureza que está sempre se pondo...

Cazuza

E na vida, sempre
Temos que lidar com escolhas
Escolhas impostas, às vezes
Que viverão momentos apenas
E outras que simplesmente
Escolhemos, porque assim preferimos
Quando essa escolha é a troca de amor
É porque aquele amor não era amor
Era o ridículo da vida
Era porque ele nasceu morrendo.

Renato Baptista
Para copiar e guardar.

Judô - Um Pouco de Poesia na Arte da vida

Sensei Ken Hiramatsu

Quero deixar nesse meu espaço de poesia uma homenagem a pessoas que participaram na minha formação e me ensinaram muito. Fica aqui o meu carinho e prova de amizade aos meus Mestres de Judô da Academia de Judô Ono, que me acompanharam por longos anos e me mostraram alguns caminhos nesta vida. São eles: Sensei Ken Hiramatsu Faixa Preta, 8º Dan e Sensei Seiko, Faixa Preta - 5º Dan. Estes me iniciaram na arte suave do Judô e me acompanharam até a mais alta graduação.

Meus respeitos ao grande Mestre, Sensei Yasuyshi Ono que hoje não está mais entre nós e que foi além de um grande Campeão, o fundador da Academia Ono.

Após este período treinei com o então técnico da Seleção Brasileira, Sensei Onodera, hoje falecido, a quem devo muito pelo aprimoramento da parte técnica.
Finalizo deixando meu abraço e meu respeito ao Sensei Branco Zanol, meu amigo, mestre do meu filho , e que foi uma atleta Olímpico que trouxe grandes glórias para o Brasil, representando-nos em Olimpíadas, em Campeonatos Mundias e grandes torneios internacionais.

O meu muito obrigado a vocês.

Renato Baptista

02 abril 2009

Dueto com Beatriz Prestes



Despertei de sobressalto//manhãs da alma são assim quando se ama
Preciso desempilhar idéias//descobrir o que vai no coração, eu sei
Promover o sorriso da alma//e o doce sorriso dos lábios que já senti
Que anda em mim tão apagado//por falta de um olhar paixão verdadeiro
Fazer revoada, bagunças do ar//se desvencilhando de promessas incautas
Quero viajar para dentro//e sentir onde é seu lugar, não uma brincadeira
Vasculhar o meu mundo//teu mundo eu sei onde é
Desempoeirar minhas asas//porque só anjo têm asas
E voar........//voar com destino certo, não com o vento.

Porque na vida, que é tão curta, não há tempo para tantas invenções e dor que se queira. É preciso saber viver, disse o poeta...

Beatriz Prestes // Renato Baptista

01 abril 2009

Soneto do Amor Aprendiz



Soneto do Amor Aprendiz

Se eu soubesse que o amor era assim
Cobriria meu coração de escudos
Empunharia espada à proa
E não deixaria que ele se apoderasse de mim

Se eu soubesse que amar era assim
Me lançaria sem medo e sem destino
Arrancando os suspiros que já ouvi
Não deixando que escapasses de mim

Sabendo tais e tais nuances da vida
Desabo quando vejo sorriso teu
E me entristeço se estás de morte ferida

E se posso te fazer plena e feliz
Me aprumo e endoideço sem alvoroço
Porque tu és minha nesse amor aprendiz.


Renato Baptista

Direitos Reservados

Menina Morena



Menina Morena

Menina morena
Que me alucina
Fez-se presente
Nesse retorno de vida
Abraçou-me de jeito doce
Como sempre se permitiu
Beijou minha boca sedenta
Com desejo guardado
Voltou para mim
Porque é minha
Sentiu-me porque sou dela
Sonhou junto comigo
Com o corpo encaixado ao meu
E fizemos amor sem destino
Cabelos soltos lambiam meu rosto
E o olhar embotado de paixão
Olhava para o meu
Lábios carnudos se avolumaram
Querendo minha pele
E não resisti ao seu cheiro
Ao seu perfume néctar
E nossos pés brincaram
Nossas mãos se entrelaçaram
Como antes sempre fizeram
Nossos corpos pulsaram
Até caírem extasiados
E aí trocamos segredos
Que se juntaram aos tantos
Juramos coisas para sempre
E uma para que não aconteça nunca mais
Dançamos deitados a nossa música
Perpetuamos o que sempre foi
E percebemos que não existiu volta
Porque o que sentimos nunca se foi
Menina linda, delicada
Menina dos meus sonhos
Menina que nasceu para mim.

E depois de tanto amor, dormi meu sono
E na manhã seguinte, acordei com meus sonhos
Porque você e seu perfume repousavam ao meu lado.

Amor eterno é assim...


Renato Baptista

Direitos Reservados