17 abril 2009

Fusão



Fusão

Eu e você.
Um cheiro doce
no ar.
A verdade flutua
e somos um só.
Palavras brincam
soltas e
poucas.
Saí de dentro
de mim,
morri por você
e estou rindo.
Sou você, sem
que você saiba.
Moro em você.
Vivo você.
A felicidade rola na
grama
e nós estamos sentados
no chão da praça .
Porque o mundo
é nosso.
Você é minha.
Você sou
eu.

Renato Baptista

Todos os Direitos Reservados

4 comentários:

Veronica de Nazareth-Noic@ disse...

Irmão-Camarada...

nessa "Fusão" maravilhosa, descobri que não é só meu o "privilégio" de pensar que "se pode ser alguém...ou fazer alguém ser nós mesmos"...rsrsrs, mas em se tratando de "amor doido" e inteiro, é assim mesmo. Linda (con)fusão, amigo! Bjs
Veronica-Noic@

Retalhos de Amor disse...

Amo este teu Poema...
Demais, Padrinho!!!

"Tem canções
Que passam
Simplesmente
E as que ficam
No peito do tempo
Temporariamente
Há também aquelas
Que, imutáveis
Permanecem
Na pauta da vida
Eternamente!!!"

Assim esta tua canção
para mim... Imortal!!!

Beijo, meu Amigo...
No coração!!!
Iza

Renato Baptista disse...

Pois é...Veronica...Fusão é um caso sério mesmo.....qundo se pensa e sente e se diz: - Você sou eu....é poruq as coisas mudaram de dentro para fora.....então viram eternas.
Beijos*

Renato Baptista disse...

Pois é Iza...tem uns que são imortais mesmo....como o que eles contém.....Uma canção imortal, como vc diz.
obrigado pelo comentário....
Beijo*