09 abril 2009

Transparências da Alma - Em Dueto com Miguel E. Gonçalves



Quando as transparências da alma indicam frio intenso e mostram um quadro de tristeza e solidão, a interferência de um amigo mais poeta do que todos, acaba por modificar o quadro, trazendo-lhe vida, cor e indicando que nem tudo é névoa e nem mesmo há tanta solidão.
Obrigado amigo, Miguel Eduardo Gonçalves, pela composição magnífica que deu cor ao meu poema.

Transparências da Alma - In Duet

Névoa no jardim / nuvem que destila
Branca sensação / sagaz apelo
Arbustos negociam sombras / a inteira liberdade
Que feixes de luz compõem / apreço invisível
A grama úmida denuncia / o ritmo que seda
Frio intenso, gelado / ininterrupto instinto

Como a composição da alma / é cadência do sensível
Folhas no chão adormecem / forma incabada
Condenadas de tão feridas / ausência entorpecida
Um quadro, talvez / memória
Um sonho, quem sabe / vento distante
Espectro da solidão... / ou não...

Renato Baptista / Miguel E.Gonçalves
Todos os Direitos Reservados

3 comentários:

Miguel Eduardo Gonçalves disse...

Ficou um show, poeta Renato, palco repleto de beleza, cenografia de muito bom gosto, caprichada, de primeira, que acrescenta ao dueto um charme todo especial! Fico muito agradecido pela deferência, que estar aqui, nesta seara de poesia tão boa, em meio a artistas de talento ímpar, como você, é uma honra.
Abraço,
Miguel Eduardo Gonçalves

Luiza De Marillac disse...

Poetas tão amigos,Renato e Miguel:

Que alegria poder ler versos tão bem concatenados entre a poética de cada um de voces dois. Miguel, em qualquer dueto, traz mesmo - cor e brilho às poesias. Beijos da amiga, Luiza

Retalhos de Amor disse...

Vocês juntos...
Ápice do Sol no
céu da Poesia!!!
Parabéns pelo belíssimo
dueto, meus Amigos!!!
Beijo no coração docêis!!!
Iza