15 abril 2009

Tristeza Incontida


Tristeza Incontida

Manhã cinza e fria
Espelho das almas
Metade do poema está morrendo
A outra metade agoniza
Roubaram os títulos de amor
O que será da poesia?

Renato Baptista
Direitos Reservados

5 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Retalhos de Amor disse...

Poesia sempre serás
Inda que chore, por vezes
Inda que n'outras, sorria
É sangue... Vida
Enquanto vida tivermos!!!

Beijo, Padrinho...
No coração!!!
Iza

Renato Baptista disse...

Obrigado Iza por suas palavras....poeta é poeta.
Beijo
Renato Baptista

Rosemildo Sales Furtado disse...

Renato, estou bastante encantado,
O teu poema é belo, genial.
Não fiques triste nem magoado,
Pois poesia não morre, é imortal.

Estive navegando, avistei tua nave, gostei e não resistí.

Abraços,

Furtado.

Renato Baptista disse...

Obrigado Furtado...deixei um comentário lá no seu belo Blog meu amigo.
Abraços
Renato Baptista