07 maio 2009

A Luz da Lua Incrustada no Abajur Lilás



A Luz da Lua Incrustada no Abajur Lilás

Tarda a energia
Que se faz anunciar
Aos poucos vem a luz
Que se pronuncia
Que nasce no branco da lua
Que mostra caminhos
Que alardeia e grita
E faz prevalecer o amor
Que se supera e faz superar
E os amanhãs de tornam belos
Respira-se o ar puro
Trazido pelo vento sereno
Em mostra de entendimento
Sem sensualismo incauto
Que pede juras de ousadia
Sem voltas e reviravoltas
Apenas e tão somente
Algo que prevalece no olhar
Que brota no coração e vibra
Que faz suar, que se perpetua
Que alucina e trás desejo
Que envolve os segundos
Em manto branco e puro
E assim, a alma se faz bonita
Os cinzas se clareiam
A beleza da vida retorna
E os sonhos se tornam coloridos
Agora sem interferências
Sem punhaladas, sem agonia
Sem tempestades vingadoras
Sem a tortura do inconsciente
Porque a vida é feita de verdades
É feita de realidade pura
Não de alucinações vertiginosas
E assim a poesia prevalece
Arte inconstante que se apruma
E no eterno retorno se aquece
E pede um dueto verdadeiro
Não sombra intempestiva
De momento margeado
Pede carinho verdadeiro
Não palavras que só compõem
Como signos exacerbados
Pede amor que vibra e que se sente
Não um vasculhar de rimas tolas
Que enfeitam paredes alheias
Porque a vida é mais que isso
A vida é uma poesia
Maior do que uma simples poesia
A vida é sentir, é sonhar
É realizar e enobrecer
A cada minuto, a cada dia
De verdade mesmo...

Voa poema, voa
Voa e volte para mim
Traz-me amor igual
Ao amor que sinto
E que ali acorda
De sono intranqüilo

Voa poema, voa
Voa e volte para mim
Traz-me dueto sereno
Igual ao poema que envio
E que ali acordou
De tão poema de amor que é

Voa poema, voa
Voa e volte para mim
Diga se existe poema
Se existe poesia no mundo
Tão apaixonante e linda
Como a menina que está aí...

Quando o amor está no ar
Melodia imortal se anuncia...
E poemas voam, sabia?

Brilha a luz difusa da lua em pérola
Incrustada na cúpula do abajur lilás
Nossa lua, nosso céu, nossa luz.

Renato Baptista
Todos os Direitos Reservados

2 comentários:

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Renato! Como sempre, o amor sempre superando tudo.

Parabéns! Profundo e dotado de muita sensibilidade.

Abraços,

Furtado.

Veronica de Nazareth-Noic@ disse...

...e o belo poema realmente voa, mais do que versos...tanto quanto a (des)rima tão rimada pela melodia...tanto voou que fez pouso, bem aqui, no meu sentir-coração. Lindo, amigo! Bjs