05 junho 2009

Steel and Glass



Steel and Glass

Aço e vidro
Metal gelado
Lascas transparentes
Que vivem
Na cidade infernal
E cortam
E sangra
A ferida aberta
Cheiro de cicuta no ar
Envenenamento
Roda-moinho
Que faz girar
A mente
Que demente agora
Se embota e esvazia
Sem permissão
Sem um nada mais
E o aço da lâmina
Vermelho de tão bravo
Se arrisca profundo
Pisando em cacos
Em lascas do vidro
Que se espalham
Abrindo cicatrizes
Rasgando a carne
Arrancando o coração
Que pelo chão manchado
Por um sangue aguado
Rasteja enlouquecido
Aguardando a fotografia
Esperando a notícia
Que a cidade esconde
E que não tardará
Virá em poesia
Em juras e entregas
Em sofismas
Figuras de linguagem
Nem sei, mas virá
Dando a certeza
De que a vida
É momento
Que passa
Para mim, para você
Para outro, enfim...

Renato Baptista

Um comentário:

Retalhos de Amor disse...

"A vida é o momento que passa"
Momento que, ido, não tem concerto...
Se não soubermos a canção!!! Remendando-a
em nós, quem sabe, podemos sinfonias!?!
Padrinho... Me tocou demais, talvez
porque nunca sei a hora exata do meu
tom... Então, destôo!!!

Beijo grande pra ti, Amigo meu...
No coração!!!
Iza