26 dezembro 2009

Dedico este Premio a Todos Vocês, Amigos...


Meus amigos...

Tive a honra de ser agraciado com esta menção, acima exposta, neste final de ano.
Elizabeth Misciasci, Jornalista, Pesquisadora, Escritora, Presidente do Projeto Zap e Embaixadora Universal da Paz no âmbito do Círculo Universal dos Embaixadores da Paz - Cercle Universel Des Ambassadeurs De La Paix - Suisse/France foi quem me concedeu este mérito, em nome do Projeto ZAP, pelo trabalho que tento fazer em nome da literatura virtual e pelo que venho fazendo na manutenção dos meus Blogs e sites:

- http://academiadapoesia.blogspot.com
- http//escrevendocomarte.blogspot.com
- http://estejamosempaz.blogspot.com
- http://nossacasadapoesia.blogspot.com
- www.poesiasescritos.com

A Casa da Poesia – www.casadapoesia.ning.com – foi um sonho que tive há algum tempo e finalmente, no início deste ano, consegui concretizá-lo.
Começamos aos poucos, com algo em torno de 14 membros e com alguns problemas iniciais, que confesso, quase me fizeram desistir de tudo, inclusive dos blogs.
Mas Deus me estendeu sua mão mais uma vez e me deu forças para superar tudo e prosseguir, porque a alma disso tudo é o bem e a alegria de aprender e não outros objetivos incoerentes.
Aos poucos fomos mostrando nosso trabalho. Um trabalho sério, de pesquisa de poetas e escritores que têm humildade, talento e vontade de aprender, que sabem se posicionar e almejam o BEM e a PAZ, e aos poucos fomos trazendo-os para a nossa Casa, até que estamos como estamos hoje, crescendo em quantidade e qualidade a cada dia.
Em 8 meses, aproximadamente, chegamos a 126 membros efetivos que trocam experiências todos os dias, publicam, levantam questões e se relacionam em um clima de harmonia e alegria.

Dedico este certificado a cada um dos integrantes da nossa Casa da Poesia, porque ela não existiria se não fossem êles, Poetas maravilhosos, amigos e dedicados.

Dedico este premio também aos leitores dos meus Blogs e Site, que lá deixam suas críticas, seus recados e seus comentários diariamente. É isso que me impulsiona e me dá forças para prosseguir aprendendo e divulgando os meus escritos.

O meu muito obrigado ao Projeto ZAP e a todos vocês, amigos do meu coração, porque sem vocês, nada disso seria possível.

Renato Baptista

15 dezembro 2009

Divagando... Por uma Paixão



Divagando... Por uma Paixão

Tua boca que me engana
Aqui, ali, em todo lugar
Tua mão que tanto me sente
Que passeia em mim sem parar
E me faz carinho sutil
Sem tempo, sem pensar
Tua língua que me acha
Assim, com vontade, devagar
Teu corpo que me beija
Até eu me encontrar
Tua dança que me veste
Que me faz suar
Teu olhar que me envolve
Que me faz não parar
Teu toque que não me estranha
Que me põe a voar
Meu desejo maior, amor
Aqui é apenas o teu lugar.

Renato Baptista


09 dezembro 2009

Por Paixão...



Por Paixão...

Balançam folhas orvalhadas
Embaladas pelo carinho
Do vento que veio de longe...
Dançam presas pelo caule
A música da paixão que arrepia
Girando e girando sem limites
Ouvindo e contando histórias
Enquanto deixam escorrer
As gotas transparentes que brilham.

São lágrimas... de alegria.

Renato Baptista

08 dezembro 2009

Louca - Com pintura de guerra



Louca

Corre
Corre
Corre
Explode
A veia
Escorre
Escorre
Sangue
Amante
Ferida
Aberta
Satisfaz
Dor querida
Faz esquecer

Borbulha
À mingua
Líquido errante
Tudo se desfaz
Evapora
Se decompõe
Transmuta
Se perde
Se esquece
Se esvai

Vem vingança
Pintada de guerra
Corpo desnudo
Alma entregue
Sem temperança
Fazendo sangrar
Premeditada
Pensada
Levada
Pelo diabo
Loucura total
Descontrole
De mãos dadas
Com gente medíocre
Maledicência pura

Corre
Corre
Abraça
O nada
Beija
O nojo
Suspira
Acaricia
Ria e sorria
Para a praga
Jogue no lixo
A retidão
Exploda.


Como um pássaro louco que morre em pleno vôo... e cai.

Renato Baptista

02 dezembro 2009

01 dezembro 2009

Quimera

Morte Lenta



Morte Lenta


A alegria vira tristeza
A manhã se torna agonia
Na espera de tanta beleza
Vejo cedo, acabar o meu dia

Vem de longe minha tortura
Premeditado desalento
Faz-se minha vida escura
Mata-me o meu desalento

Dói demais meu coração
E a cada segundo que passa
Turva se torna minha visão

Só sei, desorientado, que não sei
Perturbado, tolo, assisto
Porque não tardará o que verei.

Renato Baptista
... Aqui a foto colorida é acinzentada, mais preta do que branca, e amarelará sozinha através dos tempos porque é assim que deve ser... Destino, talvez!