12 janeiro 2010

Lápis, Papel e Poesia



Lápis, Papel e Poesia

aponte o lápis
aponte para a cabeça
do papel
que faz o seu papel
a ponta rôta
que rasga a folha
aponte a ponta
levante as mãos
pense, escreva
morra de amor
no seu poema
pauta, folha branca
sem medo... vai
lápis, grafite
lápis de cor
paixão na ponta
do lápis...
que traduz o coração.

Renato Baptista

3 comentários:

Beatriz Prestes disse...

Lindo poema Renato....

Uma doce brincadeira parece...com versos à vontade..cheios de graça e vida!
Gostei muito!
Beijo carinhoso
Bea

Sandra Helena Queiróz Silva disse...

Retratando o perfil do mundo de uma poetisa.
O lápis flutua no papel,
a mente transcede ao espaço vazio.
Voltando cheio de encantos de
um mundo encantado além.
O lápis
O papel e
Eu.

Taty Cascada disse...

Bonito Blog poeta, muy bello lo que escribes , en armonía con la diagramación y el formato.
Un abrazo para ti.

http://secuenciasdelalma.blogspot.com/