10 janeiro 2010

Onde quer que você vá...



Onde quer que você vá...

Eu bem sei, porque me vejo
Quem fala sem que você queira ouvir
E as palavras ficam como som no espaço
Soltas e sem noção alguma
Caminhando nas estrelas sem deixar marcas
Sem deixar escrita a história que teve um começo
E promete sutil, não ter fim
Ela apenas existe na incalculada imensidão
Como uma luz néon que vive e sobrevive
Marcada pela essência animale
Num mar de lágrimas exóticas
Perfumadas, amadeiradas e gentis.

Mas o vento de tempestade
Que abre o vendaval
Trás os sonhos que voavam por voar
E eu não sei mais se deixo você ir
Porque meu pensamento vai
Onde quer que você vá
Seguindo seus passos com a alma aberta
E com minha benção nas mãos
E quando o frio acabar
E o verão colorido tudo invadir
Surgirá a sua beleza que as sombras tanto escondem
Por detrás daquela janela sem mosaico.

E você vai, vai
E deixa pelo caminho
Uma alegre lembrança tatuada
Com um beijo renascido, escapulido
E o coração apertado sorrindo alegre
Alegre por ver renascer
Os dias que eram apenas noites

E hoje nos perseguem

A perseguem

Onde quer que você vá...

Renato Baptista

3 comentários:

Clecilene Carvalho disse...

Quando a escuridão renasce em luz tudo fica calmo pois não haverá mais a tempestade.
Obrigada pelo carinho das visitas. Psiu! Vc sim é poeta.

C.P.G - GONDAR, AMARANTE disse...

Olá muito bom dia
Através de blogues amigos vou conhecendo outros e fico muito contente por conhecer novos blogues, novas ideias…
Também tenho dois blogues portugueses e gostaria imenso de que, tal como fiz no link seguidores, iniciasse sessão e se tornasse meu seguidor em:
http://centroparoquialgondar.blogspot.com/
e em:
http://conversacomricardopinto.blogspot.com/

Gara disse...

Hola Renato.

Precioso poema ...

Un abrazo