16 fevereiro 2010

Um Raio de Sol

Um Raio de Sol

Manhã chuvosa, era para ser triste
Mas acordei incendiado
Com o coração na mão
Tinha atravessado o universo
Em sonho que já não era meu
Música perfeita me contou isso
Com acordes magnânimos
Que iam e vinham, ecoando
E sou um sonhador
Daqueles que coloca a mão no peito
Acredita até a última gota
Como um estúpido, talvez
Você sabe o que faço, o que sinto
Você sabe o que penso
E algo novo vem, estremece
Tudo, nada, o mundo
Meu mundo, seu mundo
E a vida se enche de cor
De raios de sol
Escondidos pela manhã cinzenta
Desse novo dia, nova manhã
E sou um sonhador
Daqueles terríveis
Que choram até, gritam
Enfrentam demônios
Desses medíocres
Que andam por aí
E vou, espada empunhada
Cheio de determinismo
Cheio de esperança
Acreditando em quimeras
Fazendo daquele nada, tudo
E vôo e sobrevôo
Sem asas, sem enxergar até
E a manhã é alegre
Dissipadas as tormentas
Dos invasores acelerados
Celerados
Que brincam de poesia vã
E não fazem parte do meu mundo
Do seu mundo
Desse mundo, enfim
Deixemos a vida acontecer
Que brilhe o sol escondido
Seus raios estão lá
Acima das nuvens
Como eu
Como o espírito legado
Protetor engajado
Na sublime missão
Que não me deixa chorar mais
Tudo sem lágrimas
Porque nada não existe
E virá outra noite
Em que precisarei de você
Que sentirei sua alma
Brindando com a minha
Como na noite em que o mundo virou
E a medalha se fundiu no meu peito
Procurando o coração
E a certeza se tatuou, assim
E o que vai dentro de mim
Nem eu sei mais
Porque sinto, penso, existo
E eu sei de você
Sinto você
Que me deixou aqui
E nunca, nunca, nunca
Nunca mais quero sentir isso
Porque as mãos estremecem
Como o corpo alucinado
Todo suado, molhado
A cada manhã, como essa
Chuvosa, linda
Em que o mundo mudou de cor
Sinto o sabor, o cheiro
A vontade, a vida
E algumas vezes mais
Nem sei se todo dia
Eu quero sentir saudade
Daquela que não passa
Que dói e avisa
Que a música perfeita me contou
Que o sonho que não era meu
É agora meu, seu
É fantasia desvestida
Jogada ao chão
Como manto sem dono
Mortalha corroída
Que não serve mais
E vira pano de chão
O chão que agora piso
Porque não sou para sempre.

Renato Baptista

14 comentários:

Beatriz Prestes disse...

Renato.........

Há momentos em que tudo é possível superar, e cada vez que leio teus poemas, tenho este sentimento forte, latente, quase em labaredas...
A cada poema, tua alma parece ascender mais....e teus versos parecem que olham em nossos olhos, e ardem. Sabem que falam ao coração, pois cores existem muitas, mais o querer é sempre aquele.........o absoluto!
Senti vontade de poetar junto...de conversar com cada verso teu, pois cada um deles falou comigo de forma inédita, mas sempre eloquente, e alto, e ardente!
Beijo com carinho
Bea

Sonia Schmorantz disse...

Parabéns, é um lindo poema, cheio de vida!
abraço

Sandra Helena Queiróz Silva disse...

Poeta Renato,

A beleza de um raio de sol,entrando nas frestas de uma janela... Que abre as portas para os pensamentos em movimento com sonho e realidade.Fantástico!

Beijos de Luz!

Renato Baptista disse...

Beatriz...

A superação de tudo é mostrada através da visão magnífica do primeiro raio de sol... ele vence a madrugada e uma vida iluminada renasce confortante.
Nada como podermos vivenciar a luz que faz a vida se tornar mais bela, pois infelizmente sempre há atrapalhando e interferindo em tudo os que caminham nas trevas e se auto-flagelam. Para estes, a morte é certa... morte em vida, porque se mostram uma coisa e são outra. Enganam a si mesmos.
Não somos para sempre... em corpo, mas almas afins se abraçam por toda a eternidade.

Beijo*

Renato Baptista disse...

Sonia...

Agradeço muito a sua visita e sinto-me honrado com suas palavras.
Um abraço* e esteja com Deus.

Renato Baptista disse...

Sandra minha amiga...

Fico feliz com seu comentário e sua visita. Obrigado de coração e que sua trajetória a partir de agora te traga muitas felicidades. Vá em frente e persista amiga.

Beijo* e que Deus te proteja sempre.

Clecilene Carvalho disse...

Bom dia!
Hoje vim para lhe trazer um presente; passe no meu blog para pegá-lo.

Tenha um otimo dia.

Renato Baptista disse...

Oi Clecilene...

Já estive lá...obrigado imensamente pela lembrança minha amiga.
Logo publico o selo aqui.
Abraços*

Sonhadora disse...

Renato
Maravilhoso seu poema...belas palavras, muito forte.

Beijos
Sonhadora

Renato Baptista disse...

Sonhadora minha amiga...

Sempre deixando palavras de incentivo. Agradeço o seu carinho amiga d'além-mar.
Abraços*

Canto da Boca disse...

O que nos deixa quase certos de que o tempo é uma estação interna.

Abraço!

Renato Baptista disse...

Canto da Boca...
Obrigado por sua presença e suas palavras sempre construtivas.

Renato*

BEBE disse...

Este "Tempo" para mim é uma longa travessia...Esta busca do sol e da lua é que nos aquece e ilumina.
E eu em frente ao mar busco também o sonho nas águas do mar...Elas fortalecem.
Encontrei nas tuas letras o mesmo
sonho que busco na poesia...Alternando o sonho e a realidade.
Parabéns...Adorei!
Um abraço
da
BEBE

Renato Baptista disse...

Bebe...

Obrigado pela visita e por suas palavras aqui.
Um abraço*