05 março 2010

Castle - Em Nome do Amor - Conto Poético


“Castle, Em Nome do Amor” é uma história contada em poesia. Poemas em tercetos, sem métrica definida, atravessam os tempos e resgatam um momento de uma encarnação onde o amor e a paixão emergiram como estava escrito pelas linhas do destino.
Os espíritos se conhecem e se reconhecem, amando numa cantata sem fim, eterna...


“Castle” vive, e nele a paixão entre Rudolph e Beatrice encontram seu porto seguro, porque nada há de mais perfeito do que o amor vivo, que atravessa séculos e encarnações e permanece intacto... definitivamente eterno.

Renato Baptista

77 comentários:

Elzenir Apolinário disse...

Passamos a vida toda a construir castles que podem ser eternos ou durarem uma estação. Seu castle eterno não é quimera pode ser bem real. Adorei o poema que pode ser comparado aos cânticos seculares de Camões. Espero que crie outros mais.Beijos

Zezinha Sousa disse...

Olá, Renato. Falar dos seus textos é fácil. Nesse conto, vc faz uma integração perfeita entre imagens, palavras,sensações, sentimentos. O concreto e o abstrato nunma junção perfeita. Impossível ler sem viver as cenas como se fossemos personagens dessa linda história de amor. Parabéns!!!!!Sou sua fã!!!
Bjos!!!!

marilandia disse...

"...nada há de mais perfeito do que o amor vivo, que atravessa séculos e encarnações e permanece intacto... definitivamente eterno."
FABULOSO EM TODOS OS SENTIDOS!!!
Do prólogo ao epílogo, ato a ato, vislumbram-se verdadeiras e imortais razões do amor.
Conto que leva o leitor a tatuar no escaninho da memória tépidas sensações, emoções inenarráveis.
Nas retinas incrustra-se deslumbrante imagética de arte cênica,imprimida pelo autor com acurado desvelo,num absoluto perfeccionismo.
ESTREIA MAGNÍFICA!!!
Abraços e carinho, querido Renato.
Marilândia

Elaine Barnes disse...

Olá amigo td bem? Então estive no seu blog há um tempo, comentei e vc não foi no meu,achei que não tinha gostado do que escrevo,sei lá! risos
Bem, sobre o seu livro,achei bonito. Uma história de amor que ultrapassa o plano físico, ao menos foi o que entendi. Vou ler mais uma vez para pegar a essência. Volto aqui. MOntão de bjs e abraços

Maria Flor! disse...

Seu conto teu alguma coisa de Camões, tem o lirismo e a realidade de cada um de nós.
Que mais posso dizer de uma obra tão bem escrita?
Só posso te parabenizar e por favor receba meus aplausos.

Muita Luz em suas inspirações!

Beijos da Flor!

Norberto V. S. Hoff disse...

Bom, muito bom!

*Isis* disse...

Conto de amor, onde a perda e o amor eternizando é emocionante.
Mantendo-nos atraídos na narração e imagens lindas até o final. Você Renato põe aí toda uma espiritualidade, um amor que se foi e deixou resquicíos no coraçãoe no tempo para reencontrá-lo mais tarde.
Narrativa permeada de sentimento, que segue o autor ocupando espaço em nosso coração.
Conto de quem entende do coração porque é impossível resistir ao amor e suas delicadezas.
Parabéns meu amigo. Está maravilhoso.
Com carinho
Isis

Beatriz Prestes disse...

No cenário do mundo, há histórias que se perdem no tempo.
Enredos imemoráveis, fatos que marcaram existências, decretaram com fatalismo o rumo de tantas vidas.
Fatos com suas raízes fincadas em épocas remotas, que ficaram trancadas em seus segredos de amor, vida e morte. Fatos que apertaram os seus nós a cada século vindouro, deixando marcas definitivas nos corações que se reconhecem, corações carregados de tudo quanto não passou.....
Não há palavra, ou frase, ou textro que exprima tudo que vai em meu coração agora!
Absolutamente emocionante e lindo!
Beijo com amor
Bea

Maria José disse...

Renato. Eu amei o seu conto. O verdadeiro amor vence distâncias e tempo. Permanece através das várias reencarnações.
A morte não existe. A vida continua nos dois planos. A morte é um parto, um renascimento, é uma transição entre dois atos do destino, dos quais um acaba e o outro se prepara.
A morte não existe. “Não podemos morrer porque já fomos criados para viver sempre ... A morte é como uma ponte, uma estação de trem, aonde se chega para passar a uma outra vida”.
A morte não existe. “A vida do homem é como o sol das regiões polares durante o estio. Desce devagar, baixa, vai enfraquecendo, parece desaparecer um instante por baixo do horizonte. É o fim na aparência, mas logo depois, torna a elevar-se para novamente descrever a sua órbita imensa no céu”.
A morte não existe. Nada muda por estar fora do alcance da visão.
Parabéns, obrigada por sua visita ao Arca e estarei sempre por aqui, para ler seus belos contos. Grande abraço.

Chica disse...

Puxa,Renato! Estou encantada com amis essa inovação tua. Maravilhoso trabalho de uma sensibilidade extraordinária!Parabéns! abração,chica

Eliane F.C.Lima disse...

Renato,
Fora o conteúdo, que parece revitalizar uma lenda - feliz do autor que consegue inventar uma história sua, mas que pareça fazer parte do inconsciente coletivo -, achei interessantíssima a forma para fazê-lo. Esse unir as duas pontas poéticas - a poesia lírica e a narrativa, que tem sua genética ligada à poesia épica -, traz um cheiro de literatura antiga, que encanta. Perfume de Tristão e Isolda.
Eliane F.C.Lima (http://literaturaemvida2.blogspot)

Lilazdavioleta disse...

Olá Renato ,

este Amor com todas as esperas , ânsias e precalços só pode ser daqueles que atravessam mortes e renascimentos .
E que serão eternos .

Gosto muito da forma como está apresentado . Tem algo de medieval .
Parabéns .

Um beijo,
Maria

SIGRID SPOLZINO disse...

Grazie, pelo convite! Adorei essa forma de criação, levando-nos além da imaginação...Ficará por certo, eterna como a paixão de Rudolph e Beatrice, apaixonante! Aplausos prolongados, Poeta e Amigo Renato!
Baci

Márcia Vilarinho disse...

Meu querido amigo, além da sua incrível e belíssima poesia está a sua alma luminosa que escreve,fazendo dos seus textos verdadeiros palcos iluminados por luzes especiais que se enraizam na alma da gente. Chorei emocionada pelo seu conto, pela forma única da apresentação, em que os personagens fixos nas imagens ganham vida e nos convidam a fazer parte do texto, e, nesse texto, Renato, há muito de comum com a minha vida, talvez com a vida de todos nós...com uma singular diferença...você as consegue expressar utilizando todas as artes, todos os tempos, em somatória divina, no sentido estrito da palavra...lindíssimo. Renato e eu o aplaudo ao mesmo tempo desta e de todas as minhas encarnações e reencarnações...num carinhoso movimento. Abraços meu amigo e que o seu castelo esteja ssim, sempre impregnado de amor. Márcia Vilarinho

M@ria disse...

Linda postagem.....Ká estou a agradecer sua visita. BOM FDS.......ABRAÇOS!

Graça Tristão disse...

AMIGO RENATO FIQUEI ENCANTADA COM A APRESENTAÇÃO DO CONTO E COM TODA SUA ARTE FAZENDO COM QUE AS IMAGENS GANHASSEM VIDA EM SEUS VERSOS... ALGUNS FALARAM DE "CAMÕES"... TAMBÉM ACHEI QUE LEMBRA... MAS A "ÉPOCA MEDIEVAL" É ONDE FICOU MAIS CLARO PARA MIM... UM ROMANCE ETERNO COM VIDAS QUE CONTINUAM PARA TODO O SEMPRE... MARAVILHOSO! PARABÉNS E QUE VENHA MAIS INSPIRAÇÕES PARA NOSSO DELEITE.
AGRADEÇO SUA VISITA AO MEU NOVO BLOG E O CONVITE...
PAZ E LUZ
BJCAS
GRAÇA

Sandra Helena Queiróz Silva disse...

Querido Poeta,

A emoção desta leitura faz viajar em cada ato,é um vislumbre este amor.Encontrando-se nas fronteiras distantes do mistério da própria vida.
Parabéns!

Beijos de Luz!

Sonhadora disse...

Renato
Maravilhoso trabalho, estou encantada...lindo.

beijinhos
Sonhadora

Sonia Schmorantz disse...

Uma forma muito criativa de narrar uma história, um pouco prosa, um pouco poema, além das imagens que já demonstram o sentimento dos personagens. Muito bom!
Um abraço

Suziley disse...

Prezado Renato, é um conto com roupagem moderna (pois no conto tradicional há as falas das personagens), um conto com toques de poesia, de poeminis. Belas imagens. Novas formas de expressar o sentimento, a espiritualidade, a essência da vida. Formas novas mas o conteúdo é perene. Achei interessante. Parabéns por sua criatividade!
Tenha um bom final de semana, um abraço fraterno, :)
Suziley.

Sandra Botelho disse...

Eu poderia ficar por horas aqui, falando , falando, mas acho que Sensacional é a palavra que se encaixa aqui.
Lindo demais.
Paraéns, e quero mais textros lindos assim.
Bjos achocolatados

marilandia disse...

Voltei e inúmeras vezes voltarei pra ler essa obra prima, e re-encantar-me com todo o contexto.
Aplausos e carinho.
Marilândia

Renato Baptista disse...

Elzenir...

Realmente, quando não construímos "Castles", é porque ele já existe dentro de nós... veio como verdade, que habita nossa alma, de outras encarnações e se faz presente de alguma forma.
Castle é amor definitivo, o verdadeiro e eterno e que ultrapassa a barreira dos tempos e renasce conosco por toda a eternidade.
Obrigado, amiga, pelo comentário e por sua presença aqui.

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Zézinha...

Uma honra tê-la aqui comigo na Academia...
Tentei realmente estabelecer uma relação de época através das imagens, talvez, porque essa história é real e verdadeira de certa forma.
Apesar de ser algo atemporal e sem lugar definido, os personagens cabem dentro de todos nós.
Obrigado minha amiga pela presença. Espero que volte mais vezes por aqui.

Abraço*

Renato

Renato Baptista disse...

Marilândia...

Amiga e companheira de poesia que tanto admiro... Você já sabe me ler faz tempo que eu sei, depois de tantos e tantos poemas compartilhados entre todos nós, amigos de verdade.
Olha, o amor é o sustentáculo dessa história que trafega sem tempo e nem lugar, mas que projeta a paixão entre duas pessoas que nasceu um dia e permanece eterna, atravessando encarnações.
Sua leitura é perfeita.
Obrigado de coração pelas palavras e pelo retorno com mais um carinho deixado aqui.

Um abraço* forte amiga.

Renato

Renato Baptista disse...

Elaine...

Estive no seu blog sim e admiro sua forma de escrever amiga. Se não deixei algumas palavras, não foi por descuido, foi por não conseguir tempo hábil mesmo... mas já fui lá me desculpar amiga.
Quanto ao conto, ele realmente ultrapassa o plano físico, porque nós não somos essencialmente seres físicos. Estamos muito além disso que é apenas um detalhe dessa encarnação.

Um abraço* e volte sempre... sua presença é uma honra.

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Maria Flor...

O lirismo acaba escapando em função da própria temática, que remete ao espaço/tempo pre-definido. Mas isto porque os personagens realmente habitaram aquele momento e permanecem até hoje no coração de cada um de nós... da sua maneira.
Obrigado por estar aqui amiga. Volte sempre.

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Norberto...
Só a sua presença e as palavras deixadas são uma honra para mim.
Muito obrigado amigo.

Abraço* forte.

Renato

Renato Baptista disse...

Isis, amiga...

Amor que nasce puro, resiste ao tempo e assim é a nossa essência. Encontros e re-encontros através de re-encarnações são certezas porque as afinidades e os acontecimentos nessa em outras vidas nos mostram isso. Nada é por acaso, enfim...
Agradeço as suas palavras e a sua interptetação... está bem em cima do que eu quis passar aos leitores.

Abraços* amiga

Renato

Renato Baptista disse...

Beatriz...

Assim...histórias podem se perder no tempo, como você diz... é real, mas elas habitam os nossos corações, morando na essência do espírito que nos compõe.
Existências se repetem, sem que saibamos o que veio lá detrás de forma consciente, mas o amor maior está dentro de nós... e as pessoas envolvidas nesse sentimento divino se procuram e se acham e revivem o que é determinado pelo mandamento divino.
Há metades que não podem estar separadas, e elas se procuram, se acham, se amam... seja em qual encarnação for.
Fatos trancados de épocas remotas acabam por reviver em contos ou em versos... coisa que não sei explicar direito, mas existe e a prova aí está, você mais do que ninguém conhece isso.
O fato é que, quando o amor está no ar, o tempo e o espaço deixam de existir, e os corações batem em uníssono, as almas comungam e não há distância que separe o que nasceu para estar junto, porque quando se ama de verdade, dois viram um.
Fico feliz que teu coração tenha sentido o que vai nesse conto. Tenho certeza que você sabe interpretá-lo, talvez porque você tenha vivido algo semelhante...

Beijo* grande pra você.

Renato

Renato Baptista disse...

Maria José...

Teu comentário é absolutamente pertinente. Conceitos de religião podem definir para cada um de nós o que é a vida e a morte. O que vale é a nossa fé e o acreditar em Deus e nos seus princípios no meu entender.
O conto remete a esse pensamento já que traduz a re-encarnação e o princípio básico do espírito eterno, remetendo ao amor como sendo este, a essência universal de todos os valores.
Você divaga sobre sua carga cognitiva na interpretação do que a atingiu como leitura e coloca seus sentimentos expostos de forma especial.
Muito obrigado pelo posicionamento e digo que é uma honra tê-la aqui.

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Chica...
Obrigado pelas palavras que acabam por impulsionar mais e mais essa s investidas literárias de aprendizado.

Abraços* amiga

Renato

Renato Baptista disse...

Eliane...

Você no cerne da charada. Realmente "Castle" está presente dentro de cada um de nós. Cada um à sua maneira e sabendo seus detalhes íntimos.
Realmente, podemos associar esse conto ao epicismo, em função da conotação que deram as imagens e o formato de construção da narrativa.
A verdade é que não me prendi a regras literárias e tentei, através da inovação, passar o que a história significa para mim e acabou significando para os que leram.

Obrigado por sua palavras sempre gentis e construtivas.

Abraço* do amigo

Renato

Renato Baptista disse...

Lilaz...

Como eu disse antes, o algo medieval acaba por ser constatado em função das ilustrações. Na realidade "Castle", apesar de localizado, é atemporal em todo os sentidos...por que ele nasceu, e renasceu e permanece vivo até hoje... dentro dos corações de cada um de nós.

Abraços* Amiga

Renato

Renato Baptista disse...

Sigrid...

Realmente... Esse escrito nos leva além da imaginação e instiga os sentimentos que moram dentro de nós... cada um com sua história, sempre com princípio, meio e nem sempre um fim...como em "Castle".

Abraços* e obrigado por estar aqui amiga.

Renato

Maria Bonfá disse...

oi Renato.. achei maravilhoso seu conto. e as imagens fortalacem os acontecimentos.da para sentir toda força do amor encontrado , perdido e reencontrado.. parabens.. lindo !! beijão

Fechativa disse...

Oi Renato,

Lindo o seu conto!
Ele nos mostra o quanto o amor é único e verdadeiro,nem a morte consegue separar dois seres que se amam.

Bjs em seu ♥

Juliana Carla disse...

Olá Renato

Seu conto me lembrou das histórias de romance espírita. Encontros, desencontros... O amor que se eterniza... Não se apaga das lembranças... Do coração... A entrega é profunda!

Obrigada por este lindo momento! Parabéns pela alma limpa de medos ao exalar o belo!

Bjuxxx e xerooo amigo

Renato Baptista disse...

Márcia...

Agradeço e muito as suas palavras... Fico feliz que a obra tenha significado tanto para você. Isso diz que ela cumpriu o seu papel.
Sua interpretação é que deixa a todos emocionados.
Um grande abraço* amiga.

Renato

Renato Baptista disse...

M@ria...

Obrigado pela visita e pelas palavras de apoio.

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Graça Tristão...

É isso amiga... o semblante remete à época medieval mesmo... Mas não há tempo nem lugar quando se fala de amor.
Obrigado amiga... muito feliz com sua presença aqui.

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Oi Sandra...

Sua presença e sua interpretação são sempre muito importantes para mim.
Abraços* e esteja com Deus.

Renato

Renato Baptista disse...

Rosa/Sonhadora...

Sua presença é sempre muito importante aqui. Obrigado pelas palavras de incentivo deixadas amiga.

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Sonia...

Valeu pela visita e pela leitura. è mesmo como você disse...um pouco de prosa, um pouco de poesia, arte ilustrativa e um tema de extrema sensibilidade que a inspiração me deu.

Abraços* e o brigado.

Renato

Renato Baptista disse...

Suziley...

Muito obrigado pela crítica e análise do texto. Sua opinião é importantíssima... Vou até publicar uma explicação sobre a forma como conduzi a obra. Fico grato por suas palavras e carinho

Abraços*
Renato

Renato Baptista disse...

Sandra Botelho...

Valeu pela visita e pelos elgios. Fico feliz com sua participação aqui.
Obrigado amiga.

Abraço*

Renato

Renato Baptista disse...

Maria Bonfá...

Obrigado amiga pela visita e leitura. è sempre um incentivo a mais ter a palavra de amigos sobre o que nossa obra expressou.

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Juliana minha amiga...

Na verdade tem um fundo espírita em função da essência esse conto poético. è algo que fala de renascimento e outras coisinhas que lá estão.
Fico feliz com sua presença, viu?

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Maisa...

Feliz aqui com sua visita e palavras deixadas.
Valeu mesmo amiga...muito obrigado.

Abraços*

Renato

Graça disse...

Renato, meu querido amigo!

Demorei a vir pq estive sem net por esses dias...pelo que me desculpo com vc.
Primeiramente, obrigada pela gentileza do seu convite para conhecer seu primeiro conto.
Estou encantada e fascinada com ele, onde vc reúne a magia do mundo medieval, a épica de Camões, um pouco das lembranças de Shakespeare, tudo isso num mix perfeito, reunido num belo conto de amor em atos, que atravessa barreiras, "séculos e encarnações"...
Viajei com eles, Rudolph e Beatrice, e, por uns instantes, desejei ardentemente ser essa sua bela personagem...

Um amor perfeito.
Um conto divino.
Ou vice-versa.
Ou ambos!

Querido,
Lembrou-me bastante o sofrido e intrigante romance de Bernardo e Heoísa, pela intensidade e teor de eternidade de ambos!

Parabéns, já disseram tudo a vc, com louvor. Continue a série, pois é original esse seu modo de narrar, agradou extremamente, satisfez a todos os gostos literários!

Um abraço grande, Renato!
Esteja com Deus, sempre!

Fragmentos Betty Martins disse...

.__________olá Renato






muito obrigada pelo convite. e visita. volte sempre:))



fiquei verdadeiramente encantada!


o amor_________vence todas as batalhas


o verdadeiro amor está sempre preparado para vencer.trinfar_____________porque a própria natureza


é a sua MAIOR aliada









_______________________///







beijO___________ternO
bSemana

Jacqueline disse...

Como é bom! Romantismo nesta era todos os românticos estão mais distantes do que nunca dos castelos (de pedra, de areia, de sonhos...).
Muito bom vir aqui!
Abraços, Jacqueline

Beta disse...

Nossa Renato, que lindo!
Parabéns!!!

bj

Renato Baptista disse...

Beta minha amiga...

Obrigado pela visita. Foi uma honra.

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Jacqueline...

A honra foi minha pela leitura e palavras aí deixadas. Volte sempre amiga.

Abraços*

Renato

Alberto Afonso disse...

Renato, amigo,
Um conto que prende e, tal como nele o amor se eleva para a eternidade, leva também o nosso pensamento a sentir a poesia e o seu magistral encanto...
Um grande abraço.

Canto da Boca disse...

Um enredo que nos mantêm atentos aos movimentos da narrativa, e com uma perspectiva explicativa que no final, a sensação que temos é a de que a história desse amor só se fez, e faz, porque encontrou a permanência, a "prasempreadade" na tragédia.

Abraço!

Maísa Vibancos disse...

Renato, só hoje visitei seu conto e li, e li, e li, e li...
Fiquei encantada com seu trabalho.
Parabéns amigo poeta!
seus dedos são mágicos.
beijos poéticos

Renato Baptista disse...

Albert Afonso meu amigo...

Uma honra enorme tê-lo por aqui. Grato pelas palavras deixadas e volte sempre.

Abraços*

Renato

Renato Baptista disse...

Canto da Boca...

Obrigado por sua interptetação ao conto. É um prazer tê-la aqui amiga.
Fica o meu abraço* e esteja com Deus.

Renato

Renato Baptista disse...

Maisa minha amiga de tanto tempo...

Fico feliz com sua visita e leitura. A casa aqui está sempre aberta para você.

Abraços*

Renato

Graça disse...

E VIVA A ETERNIDADE DE CASTLE, MEU AMIGO!

Voltei para reler-te.

Tão lindo esse teu conto! Gostaria de saber se irás disponibilizar para nós tb tentarmos fazer o nosso...

Abraços, com orgulho de poder ser tua amiga e irmã!

Essência e Palavras disse...

Te encontrei no blog do "Apreciando Sensaçoes". Gostei daqui, do vi, do que li.

Um beejo e com certeza voltarei mais vezes!

Renato Baptista disse...

Oi Graça...

Respondi a esse comentário lá no Botões...dê uma espiada.

Abraços*

Renato Baptista disse...

Essência...

Obrigado pela visita amiga. Uma honra tê-la aqui...volte sempre.

Abraços*

Renato

Graça disse...

Oi, Renato...

Vi sim, sua resposta.

rsrsrs

Tenho um amigo blogueiro, o Hod, do blog carpediem-hod.blogspot.com que é fera na poesia tb, e ele queria saber se precisava autorização sua para escrever poeminis. Respondi-lhe que não, pois já vejo outras pessoas tb escrevendo, e eu até arrisquei alguns...espero que esteja correta.

Sobre essa solicitação minha, é pelo seu modelo, pois possuo umas imagens lindas de RPG medievais e tenho escrito um pequeno conto.
Então, vendo a sequência do seu conto CASTLE, um tipo inédito, quis saber se posso...copiar...rs isto é, escrever o meu conto com esse seu estilo.

Obrigada pela resposta lá nos Botões.

Quanto à Casa da Poesia, há algum tempo vc já me convidou, porém por motivo absoluto de tempo, não pude aceitar. Mesmo pq eu não escrevo poemas, só de vez em quando, rs, então deixo para os verdadeiros poetas de nossa querida e rica língua portuguesa fazê-lo por mim, como vc e a Bea, por exemplo.
De qualquer forma, obrigada, quem sabe num futuro bem próximo...

Um grande, enorme abraço, meu querido!
Mais uma vez, muito grata, de coração.
Fique com Deus.

Renato Baptista disse...

Márcia...respondido de novo sobre o seu amigo....tá lá no Botões outra vez.

Abraços*

Tânia Meneghelli disse...

Oi Renato!

Antes de mais nada, quero que me desculpe pela ausência aqui na Casa da Poesia. Gostaria de participar mais ativamente, se bem que fico meio sem jeito pra isso, sabe? Vejo conteúdos surpreendentes por aqui, o nível é excelente. Não sei se dou conta não! kkkkk!!!

Ando numa correria danada nos últimos tempos, o que tem impedido de me aprofundar na leitura de muitas coisas interessantes.

Mas, mesmo assim, achei importante vir dar uma olhada nessa sua última obra. MAGNÍFICA, é só o que posso dizer. Maravilhosa essa junção de imagens e palavras, tudo com teor muito tocante. Uma delicadeza impossível de não ser apreciada. PARABÉNS! Pelo que vejo, a cada dia você está mais afiado.

Mesmo timidamente, acompanho seu trabalho, viu? E fico sempre maravilhada com o que vejo.

Beijoca!

Valéria disse...

Olá, obrigada pelo convite para ler o seu conto poético, achei de muito bom gosto, apesar do trágico final, a história remete Romeu e Julieta, um amor interrompido pelo destino, imaginei Beatrice com uma forte dor no peito esperando pelo seu amor, mas ao mesmo tempo parecia que ela presentia que duraria pouco...desculpe, eu adoro ler poesias, mas ainda me falta uma compreensão mais profunda , eu escrevo no meu blog algumas tímidas palavras para expressar momentos, sentimentos, estou gatinhando...
Valéria

Zezinha Sousa disse...

Olá, Renato. Muito obrigada pela visita e palas palavras carinhosas. Nossos aniversários não seriam tão especiais se não fosse a presença e o carinho dos amigos reais e virtuais. é um prazer voltar aqui e reler essa obra prima, é mais um presente de aniversário.
Bjos!!!

Renato Baptista disse...

Oi Tânia...

Obrigado pela visita amiga...
Esperamos você lá na Casa da Poesia, tá?

Abraços*

Renato Baptista disse...

Valéria...

É uma honra tê-la por aqui. Obrigado pelo comentário amiga... volte sempre.

Abraços*

Renato Baptista disse...

Zezinha... Fica aqui tbém meus votos de um feliz aniversário pra vc amiga.

Abraços* e esteja com Deus.

Renato Baptista disse...

COMENTÁRIO ENVIADO POR E-MAIL PELO POETA AMIGO THÉO DRUMMOND:

Renato:
Seu conto poético Castle, ao ser apresentado em Prólogo, 14 Atos e Epílogo, demonstra sua incrível capacidade
criativa, já comprovada quando lançou os Poeminis, com todas as suas regras, e que, em pouco tempo, passou a
ter tantos poetas a fazê-los.
Você já obteve todos os elogios que merece, nos numerosos comentários recebidos.
Na verdade, o poeta Renato conseguiu mostrar aos leitores, com toda a emoção e beleza, essa verdade cristalina e que nunca deve ser esquecida: quando o amor é verdadeiro e profundo, nada consegue separar os que se amam - nem a morte.
E, além disso, com Castle, também inovou no conto -
poético, com um texto belíssimo e imagens, numa nova
forma de poetar, e que deverá, por certo, vir a ter muitos
seguidores.
Finalmente: sempre admirei sua poesia. E agora, mais do
que nunca, tive a comprovação de que não errei na minha
apreciação.
Um abraço do
Théo Drummond

OBRIGADO THÉO PELO CARINHO E PELA AMIZADE...FICO FELIZ COM SUA PRESENÇA AQUI.

ABRAÇOS*

RENATO

marilandia disse...

O eloquente comentário do querido Théo baliza toda a perfomance do poeta e ser humano por excelência, Renato,especialmente em "CASTLE".
Beijos e carinho aos dois ícones da poesia e dos sentimentos.
Marilândia

Renato Baptista disse...

Valeu de novo minha amiga Marilândia. Seu apoio é sempre fundamental e incentivador.

Abraços* amiga

Miriam disse...

Renato, achei sensacional essa modalidade de conto. Foi a primeira vez que a vi e gostei bastante! Tudo o que poderia dizer já foi dito pelas 76 pessoas que aqui deixaram suas opiniões... Cheguei um pouco tarde, mas vim, como prometi antes de me ausentar. Agradeço muito ter sido mais uma das suas convidadas para apreciar seu conto/poema. Não só o adorei, como também você me ensinou algo que desconhecia. Deve se muito difícil elaborar a narrativa de uma história, seguindo forma de poema (tercetos, no caso), sem nenhum deslize. Parabéns!! Ficou dez com louvor.
Um abraço com o carinho da
Miriam Panighel Carvalho