21 julho 2011

Chocolate com Damasco


Chocolate com Damasco

Fica aquele sabor
De damasco com chocolate
Impressionando a língua
Que passeia no céu da boca
À procura de descobertas
Os olhos se fecham e imaginam
Onde estão os sonhos agora...
Eles dormem de roncar
Como samurais sem pátria
Sobre suas lâminas afiadas
Que podem decepar braços
Arrancar pernas ou mãos
Mas não matam a alma
Aquela que continua crente
Sábia e destemida
Como pássaros que sabem voar
E a alma comunga com o coração
Nasce doce melodia envolvente
Que abraça o peito apertado
E conta o segredo a todos os réus
De que o amor vence a aflição
O chocolate vence o damasco
E a doçura se expõe por dentro
Fazendo com que nós
Ultrapassemos o horizonte
Acelerando a pressa perpétua
De um novo dia perfeito
Iluminado pelo sol da paixão.

E os samurais acordam
Depõem suas armas afiadas
Respiram sem medo algum
E voltam a sonhar acordados
Acreditando nas lembranças
Com sua alma imortal
Cheia de sorrisos e lágrimas
Porque a vida é sempre
Entremeada de contrastes
Doces e amargos
Que nos ensinam segredos
Nos elevam até os deuses
Que têm paixão por damasco
E amam chocolate.

Renato Baptista

Um comentário:

Beatriz Prestes disse...

Um dos poemas mais instigantes para todos os sentidos do corpo, para as sensações da alma...
Contrastes, opostos, fusões, experimentos...
Assim é o prazer do sabor, da cor, do amor...
DESLUMBRANTE, DELICIOSO!
Beijo
Bea