31 outubro 2011

Mudanças no Escrevendo com Arte

O meu outro Blog, o Escrevendo com Arte, mantém a forma mas muda o seu conteúdo... agora a coisa vai ferver...rs
Quem quiser acompanhar, fique à vontade... vale criticar, dar opinião, enaltecer e esculhambar... vale tudo, desde que você assine embaixo e leia a resposta depois.

Renato Baptista

30 outubro 2011

O Amanhã

Esse sempre amanhã
Que chega anunciado
Vibra solene
Transborda pela borda
Escorregadia
Antes intocada
Ultrapassa o limite
Da vida que passa
Com o doce sabor
Do mais amargo destino
Que vira o amanhã
O amanhã, o amanhã
Sempre e sempre
E que não dorme nunca
Simplesmente entristece
Empalidece insone.

Renato Baptista


23 outubro 2011

Sem Você


Desligo-me cedo
E acordo tarde
Vou dormindo com a sua ausência
A cada noite gelada e triste
E sonho com seu beijo, com seu toque
Com seu calor que posso sentir
Cada vez que me mexo e me remexo
Entre bordas de lençóis vazios
Acordo aflito, temeroso
Com as certezas dos pesadelos
Que me sacudiram o sono
Eram prenúncios
Eram, talvez, anúncios
Que a vida anda vazia
E que mostram chamas
Que me queimam e me acordam
Naqueles momentos cheios de medos
Porque você se afasta a cada dia
E me larga nas noites frias
Então habito sozinho a madrugada
Desfaço-me em pranto que não escorre
E não sei se sentir já é o bastante
Se sentir é meu argumento
Se gritar é minha esperança
E se dormir é a minha cura
Sigo só, sem você
Sem seu beijo e sem seu calor
Sem seu carinho que me deixou
Então abraço a sua tristeza
E procuro sonhar um sonho bom
Orando para que, quando eu acordar
Você esteja ao meu lado... sorrindo
E não triste e amordaçada
Sem horizonte e sem carinho
Porque se não for assim
Permaneço só sem você
E só com você...

Renato Baptista

15 outubro 2011

+Magos+

Não tente me morder.
Há coisas no meu sangue que você não iria querer na sua boca...
John Constantine – Livros da Magia

+Magos+

Olhar bem nos olhos
Penetrando na alma
Como um mago que vê

O mal disfarçado se mostra
Por um só momento
Há sintonia

Arrepio ácido, calafrio...

Conjurada a criatura do mal
Exótico transtorno
Que transborda sangue
E que dedos nele molhados
Desenhem e pintem
Em corpos desfalecidos

Marcam a vida com a morte
Em ritual solene
E é lançada a magia
Olhando-se dentro dos olhos
... Mas não chegue perto
Não machuque, não morda!

Renato Baptista

14 outubro 2011

Constância

Ocaso...
Prometendo um novo dia
Ofertando a noite estrelada
Como um presente
Muito além do horizonte azul
Noite que cai suave
E resgata o brilho da lua
Que chega branca, serena
Como uma conselheira
Trazendo-me as mais fortes lembranças
Lembranças que tenho de ti
Escuto então
O coração bater mais forte
Aceleradamente descompassado
Os ponteiros do relógio em círculos
Constância eterna
E o escuro total
Torna-se madrugada fria
Minha saudade vai ganhando vida
Na solidão que habita o silêncio
E o sol aguarda com a guarda de sua luz
O momento de romper
A virgindade da manhã
Fazendo nascer um novo dia
Mais um dia
Menos um dia...

Renato Baptista

09 outubro 2011

02 outubro 2011

Um Certo Querer...

Olhando para o chão
Sem euforia
Com você me amando
E um grito surdo
Enroscado na garganta.
Idéias brilham
E se contorcem
Voam até você
E voltam beijadas
Devidamente
Completamente apaixonadas
Totalmente enfeitiçadas
E se misturam no meu coração
Que bate e pulsa e trepida
Tanto, mas tanto
Que faz nascer asas na alma
E dá vontade de viver mais
Mais uma vida
Só porque você existe.

Assim como um certo querer...

Renato Baptista