14 outubro 2011

Constância

Ocaso...
Prometendo um novo dia
Ofertando a noite estrelada
Como um presente
Muito além do horizonte azul
Noite que cai suave
E resgata o brilho da lua
Que chega branca, serena
Como uma conselheira
Trazendo-me as mais fortes lembranças
Lembranças que tenho de ti
Escuto então
O coração bater mais forte
Aceleradamente descompassado
Os ponteiros do relógio em círculos
Constância eterna
E o escuro total
Torna-se madrugada fria
Minha saudade vai ganhando vida
Na solidão que habita o silêncio
E o sol aguarda com a guarda de sua luz
O momento de romper
A virgindade da manhã
Fazendo nascer um novo dia
Mais um dia
Menos um dia...

Renato Baptista

Um comentário:

Beatriz Prestes disse...

Os versos finais são de emudecer..
Demais linda esta poesia!
Bea