23 outubro 2011

Sem Você


Desligo-me cedo
E acordo tarde
Vou dormindo com a sua ausência
A cada noite gelada e triste
E sonho com seu beijo, com seu toque
Com seu calor que posso sentir
Cada vez que me mexo e me remexo
Entre bordas de lençóis vazios
Acordo aflito, temeroso
Com as certezas dos pesadelos
Que me sacudiram o sono
Eram prenúncios
Eram, talvez, anúncios
Que a vida anda vazia
E que mostram chamas
Que me queimam e me acordam
Naqueles momentos cheios de medos
Porque você se afasta a cada dia
E me larga nas noites frias
Então habito sozinho a madrugada
Desfaço-me em pranto que não escorre
E não sei se sentir já é o bastante
Se sentir é meu argumento
Se gritar é minha esperança
E se dormir é a minha cura
Sigo só, sem você
Sem seu beijo e sem seu calor
Sem seu carinho que me deixou
Então abraço a sua tristeza
E procuro sonhar um sonho bom
Orando para que, quando eu acordar
Você esteja ao meu lado... sorrindo
E não triste e amordaçada
Sem horizonte e sem carinho
Porque se não for assim
Permaneço só sem você
E só com você...

Renato Baptista

Um comentário:

Beki Bassan disse...

Renato, o que dizer de um poema como este. Qual a mulher que não gostaria de ser amada de toda sorte
estando ou não presente ela está ao seu lado no seu coração.
Poeta perdi o fôlego. Maravilha!
Abraços,
Beki