15 março 2012

Cólera

Desavenças e ensaios
Como torturante agonia
Que se esfregam no corpo
E cortam como lâmina afiada
Fazendo escorrer o sangue
Sangue amarelo pálido
De tão desbotado e cruel
Que lambe a pele ferida
A alma cortada em pedaços
Que se espalham pelo chão
Que pisam os incautos
Vem no vento a causa
Pousa como águia que sorri
No parapeito do amor
E grita alto, bem alto
-Vou te matar!
E os argumentos acabam
Desgraça se anuncia plena
Porque a vida é assim
Eterna luta feroz
Contra maledicentes
Que quebram a harmonia
Sempre e sempre e sempre
E nem sei de onde eles vem
Esses malditos aterrorizantes
Que se impõem como deuses
E arrebatam a temperança

Não há fortes e nem fracos
Não há vitória nem derrota
Não há passagem bíblica
Nem ditado que amenize
Que pare a cólera da fera
Essa que brota do chão
Aparece como aparição
Desmancha os sentidos
Arruína a pátria
Esmaga o que sobrou
E ri sorrateiro do vencido
Do cansado de guerra

Se a vida é provação
Porque a fé prova que é
Deveria haver intervalo
Descanso merecido
Para que os justos
Vivam o amor em trégua
Mas a vida é luta
É dormir com um olho só
É atenção e cuidado
É vibração e tormenta
Angústia e sofrimento
Alegria e prazer
Tudo isso misturado
Como bolo temperado
E levado ao forno quente
Do inferno...

Mas no final um sobrevive
O mais fraco no caso
Como disse Jesus
Então não valem as armas
Não valem táticas ferinas
Não valem os ataques
Nem as procuras insanas
Não vale nada nessa vida
Além da própria vida
Essa roleta de cassino
Que gira, e gira e gira
E o resultado é preto ou vermelho
Não importando o número
Preto da desgraça, do luto
Vermelho do sangue
E o vencedor é ninguém
Porque corpos e almas
Jazem cansados ao lado
Tentando entender os motivos
Tentando aprender com fatos
Chorando sem parar em agonia
E êxtase, talvez...
Alguns são assim
Porque gostam de sofrer
E de invadir o que não é seu
Arrancar quem não é seu
De quem não conhece
E assim as batalhas se iniciam
Carnificina pura e dolorida
Como se fossem ordens de Deus
Mas Deus não pensa assim
Apenas os homens são desse jeito
E porque merecem, talvez
Porque querem
Porque precisam disso
Para provarem que estão perto
Perto desse Deus que lhes ensina
E o resultado é a morte
Morte prematura
Porque sempre há um melhor que aquele.

Triste constatação!!!

O que resta é a verdade de que só o amor constrói...

Renato Baptista